Pular para o conteúdo principal

Você está preparado para o marketing com consciência?

Carl Jung acreditava que um inconsciente coletivo move os seres humanos na direção de um princípio maior. Em diferentes épocas, pequenos grupos de pessoas deram início a grandes movimentos e transformaram a sociedade. Atualmente, podemos identificar uma mudança de comportamento e visualizar a transformação do pensamento da massa para um tema mundial: a sustentabilidade. Um número cada vez maior de pessoas vivencia essa mudança de consciência e transmite a outros, que transmitem a outros e juntos formam uma massa crítica em busca de um novo sistema que possibilite esse modelo de vida.

Muitos resumem sustentabilidade a condições ecoambientais simplesmente, mas o conceito envolve muito mais que apagar as luzes, economizar água e reciclar embalagens. Sustentabilidade é garantir que uma nova consciência guie todas as atitudes da vida. O consumo de produtos e serviços está definitivamente afetado por essa nova perspectiva da vida. Nesse momento surge a questão: as empresas estão preparadas para adotar uma postura consciente?

Uma postura consciente no mercado definirá quem irá permanecer nele nos próximos anos. As empresas devem reestruturar as atividades de produção, vendas e marketing para alcançar o que o consciente coletivo já demanda hoje. Muitas empresas incorporaram a postura consciente no gene central de sua estrutura, mas a maioria usa táticas vazias de sustentabilidade que não enganam mais o consumidor.

Não adianta dizer que o produto é ecológico só porque a embalagem é verde e feita com papel reciclado; é preciso provar, com dados científicos, verdadeiros e críveis. Na Europa e nos Estados Unidos são cada dia mais comuns os boicotes a produtos com campanhas verdes que abusam de informações não verdadeiras, não entregam o que prometem em termos de benefícios socioambientais ou revelam incoerências gritantes entre discurso e prática.

Não só as empresas devem seguir essa postura. Agências de comunicação também têm um papel fundamental nesse processo, já que são responsáveis por divulgar produtos, serviços e intenções. A postura consciente deve fazer parte de todo o planejamento estratégico e de comunicação, sugerindo ações que tenham o menor impacto ambiental e social possível.

Como conseguimos isso? Com ações criativas que envolvem a internet, o telemarketing "educado e não-invasivo", o marketing de permissão, uma estrutura que minimize o impacto dos transportes (emissão de poluentes), o respeito às crenças individuais e ao modo de vida estabelecido daqueles que recebem a comunicação. Por exemplo: é muito mais econômico e sustentável comunicar um bairro da abertura de um restaurante que uma cidade toda.

Freqüentar um restaurante perto de sua casa ou trabalho consome menos combustível no deslocamento e fomenta o comércio da sua região; duas atitudes conscientes. Foi o que fizeram o restaurante Viena, na abertura de sua loja na Vila Olímpia, e o Ráscal, no Itaim, ambos em São Paulo. Através de uma ação de marketing direto e telemarketing direcionado, pessoas que moram ou trabalham nos bairros próximos foram informadas da abertura e em poucos dias os restaurantes já estavam sempre cheios.

O Ráscal é um bom exemplo de empresa consciente. Faz coleta de lixo seletivo nas cozinhas e tem um programa anti-desperdício de alimentos. Com atitudes pontuais e relevantes ao core business, qualquer empresa é capaz de ajustar sua estrutura de negócios para se tornar uma empresa consciente e lucrativa.

As marcas no século XXI construirão sua base sobre três pilares: social, econômico e ambiental. É preciso fixar este tripé no chão antes de tirar a foto, e quem não o fizer corre o risco de ter sua imagem borrada. Diminuir o impacto na sociedade e no meio ambiente resultará em duas coisas importantíssimas para as empresas: lucro e valor de marca. Mas cuidado! Dose suas ações, não acredite em tudo que dizem e não seja um eco-chato, ou poderá ficar isolado em uma ilha perdida no oceano.

Jung também dizia que a sincronicidade afeta toda a sociedade. Às vezes tendemos a achar que é coincidência reencontrar aquele amigo de faculdade que gosta de natureza, recicla o lixo e trabalha em um projeto social, justamente no momento em que você pensa nesse assunto, mas saiba que talvez o encontro não tenha sido mera coincidência, pois coincidências, como você já sabe, não existem.


Fonte: Por Simone Farah é diretora de criação da agência Ambiente de Criação, in www.mundodomarketing.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …