Pular para o conteúdo principal

Alvin Toffler: Superávit de complexidade

Em palestra para executivos brasileiros, Alvin Toffler conecta mudanças no mundo dos negócios a transformações mais profundas na sociedade. A seguir, um resumo de suas idéias principais.

Revolução mais que industrial
"Há três séculos, a economia da Inglaterra migrou da agricultura para a indústria. A chamada revolução industrial foi bem mais do que isso: ela transformou completamente a estrutura familiar, a cultura, a religião e, por fim, a civilização como a conhecemos hoje. A migração do homem do campo para as cidades e o trabalho nas fábricas criou um novo modo de vida, fazendo com que a transformação econômica passasse a fazer parte de um processo revolucionário bem maior."

Dos músculos ao cérebro
"Tão impactante quanto a Revolução Industrial no século 18 foi a revolução que Heidi e eu chamamos de 'A Terceira Onda' e que dá nome ao nosso livro. Ela nada mais é do que o resultado numa mudança nos meios de produção. Primeiro tivemos uma revolução agrícola, depois a industrial, e, na seqüência, a revolução do conhecimento. O principal meio de produção já não são os músculos, mas sim o cérebro. E isso sepulta o industrialismo e nos leva a um mundo com novas convicções, atitudes, éticas e empregos. A terceira onda fomentou uma nova civilização — a atual — que será responsável por revolucionar os meios de produção de riqueza."

Não há escassez de conhecimento
"Falamos em riqueza revolucionária calcados na certeza de que o nosso meio de produção tem uma diferença fundamental em relação aos dos momentos anteriores: ele não é escasso e não se exaure ao ser compartilhado. Pelo contrário: quanto mais se dissemina o conhecimento, mais poderoso ele tende a ser. E isso é inédito. Compartilhar não era palavra de ordem no meio rural ou numa linha de produção. Com o conhecimento é diferente. Temos todo interesse em torná-lo disponível. O conhecimento é intangível. Idéias simples podem produzir mudanças enormes. Pensemos no Yahoo, por exemplo. Ou mesmo no Google. Ao compartilhar o conhecimento, também o fazemos crescer. É que idéias amam outras idéias. O conhecimento se apaixona por ele mesmo e produz muitos frutos. Quanto mais ele circula, mas 'promíscuo' fica."

Conhecimento é velocidade
"Por crescer e se transformar ao ser compartilhado, o crescimento também promove uma mudança de ritmo. As mudanças ocorrem num tempo cada vez menor e, a cada dia, a velocidade com que as transformações ocorrem acelera. O fato de sermos seres multitarefa, que executam diversas atividades ao mesmo tempo é um reflexo claro desse impulso à velocidade trazido pela economia da informação. Um estudo da consultoria McKinsey mostra que esse ritmo também se reflete na economia. Hoje, os ativos financeiros crescem numa velocidade bem superior à da produção, fazendo com que o tamanho do mercado financeiro de um país seja muitas vezes maior do que o de seu Produto Interno Bruto."

Desmassificação = diversidade
"Uma das principais características da revolução no modo de produzir riqueza é o movimento de desmassificação que se torna cada vez mais intenso. Temos hoje uma diversidade de produtos impensável há um século. E essa diversidade é um reflexo — e também um fator de estímulo — do declínio nos meios de produção de massa. Hoje, variedade e mudança são mais baratas do que no passado. O consumidor não aceita a uniformidade. Essa diversificação ocorre não apenas no mundo do consumo e da produção. Ela já pode ser verificada na estrutura das famílias. Antes, havia um único modelo possível de núcleo familiar: pai, mãe, filhos. Hoje há famílias formadas por duas mães ou dois pais, há casais que criam filhos de outros cônjuges em conjunto com os que têm posteriormente e até mesmo os casais sem filhos são considerados como famílias. É a desmassificação estendendo seus tentáculos."

Implosão das fronteiras
"A aceleração das mudanças e a desmassificação da produção e da cultura produzem uma sociedade infinitamente mais complexa. Temos hoje um superávit de complexidade, mas somos incapazes de medí-lo porque não dispomos de ferramentas ou de métricas para fazê-lo. Ainda não somos capazes de avaliar os efeitos implícitos dessa maior complexidade. Para isso, temos de transformar estruturas que foram criadas para atender às necessidades de uma cultura de massa. Empresas divididas em departamentos ficarão engessadas demais para reconhecer e atender aos anseios do novo consumidor. São fronteiras cujo destino inevitável é a implosão."

Educação: o passo definitivo
"Nossas escolas tradicionais não passam de uma linha de produção de conhecimento. Elas não nos servem mais. Elas não são capazes de formar indivíduos inovadores, que reconhecem que o fracasso é parte do processo de produção de riqueza. De todos os passos necessários a uma revolução efetiva, a transformação do modelo educacional é o mais crítico. É também a parte mais difícil do processo. Mas está em curso. Estamos criando um sistema de riqueza revolucionária em que a geração de valor está tanto nas mãos de quem produz quanto de quem consome. Pouco a pouco vamos criando também uma nova civilização para acompanhá-lo."


Fonte: Por Camila Hessel, in epocanegocios.globo.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …