Cluster: o bom e velho relacionamento

Vamos começar esclarecendo que cluster é uma palavra de origem inglesa. Numa definição genérica, é um grupo de empresas que exerce atividades semelhantes e se desenvolve conjuntamente. Assim sendo, o conceito sugere a idéia de junção, união, agregação, integração.

Cluster se torna uma fonte contínua de conhecimento, pois há mais integração entre fornecedores, clientes e comunidade, pois incluem em uma região, indústrias e instituições com ligações estreitas ou forte complementaridade, pois clusters são formados apenas quando os aspectos setorial e geográfico estão presentes.

As fronteiras de um cluster devem refletir a realidade econômica e não necessariamente as fronteiras políticas e administrativas. A vantagem da aposta está na forma diferenciada de organizar a cadeia de valores que estimula o relacionamento e a comunicação entre empresas a atuarem sinergicamente sob um mesmo direcionamento estratégico. Tal competitividade manifesta-se a fim de aumentar a produtividade, potencializar a inovação, estimular a formação de novos negócios, criar postos de trabalho qualificados, gerar emprego e criar riquezas. Outra vantagem é que, independentemente das ações do governo, o desenvolvimento das empresas está nas mãos de quem produz e na força dos elos da cadeia produtiva.

Do ponto de vista operacional, o agrupamento de empresas é a forma que o esforço pelo desenvolvimento econômico e social vem assumindo no mundo inteiro, tanto nos países industrializados, como nos países em fase de industrialização. Muitos países e regiões ao redor do mundo estão promovendo o desenvolvimento de clusters em resposta à economia globalizada em mutação. Aqui em Curitiba temos como exemplo a Rua Tefé - calçados, Carlos de Carvalho - móveis de luxo e design, Getúlio Vargas – cozinhas, Mateus Leme – restaurantes de frutos do mar, e 24 de Maio – eletroeletrônicos. Abrangendo um pouco mais Curitiba concentra empresas de software, Loanda – materiais sanitários, Cianorte – confecção, Cascavel e Toledo - equipamentos e implementos agrícolas.

Um dos pontos importantes nos casos de clusters bem sucedidos é que estes funcionem como eixos de desenvolvimento em suas regiões, e isso diz respeito à sua composição em termos de empresas, assim como à forma que elas se relacionam. Embora envolvidas num mesmo negócio, as empresas sabem que não poderão sobreviver se ficarem sozinhas num negócio que depende de cooperação e de inovação para se desenvolver.
Com isso, abandona-se o conceito de macro região, para organizar o processo de desenvolvimento em bases locais, a partir de um conjunto de atividades a serem desenvolvidas em regime de parceria e cooperação entre a sociedade e o Estado.

A maioria dos benefícios de um cluster flui a partir das relações pessoais, que facilitam as ligações, promovem a comunicação aberta e facilitam confiança mútua. Informação é essencial à produtividade. Relacionamentos promovem o seu fluxo, ancoram, e fortalecem ainda a rede depois do projeto implantado. Estimular comunicações é a essência do sucesso da iniciativa de se implantar um cluster. Facilitadores neutros podem, muitas vezes, ajudar onde a confiança mútua ainda não se instalou e os relacionamentos são ainda incipientes. No início, maiores esforços são requeridos para assegurar comunicação regular, tanto interna quanto externamente. Os êxitos alcançados devem sem amplamente divulgados.

Diagnóstico e visão do futuro devem sem combinados com passos firmes e concretos. Condutores fortes e experientes são necessários, tanto por parte da iniciativa privada quanto da representação governamental. A liderança de empreendedores e o envolvimento de formadores de opinião caracterizam virtualmente o sucesso da iniciativa.

O desenvolvimento e a consolidação de um cluster são processos de longo prazo. Para o administrador de empresas é um grande desafio, pois as influências externas não apenas incidem no nível dos custos ou da produtividade, como também na velocidade das mudanças e no ritmo de incremento da produtividade. Na consolidação de um cluster, torna-se prioritária uma política de comunicação aberta, na qual prevaleça a confiança entre os participantes para a administração dos conflitos internos que possam surgir. Assim o administrador pode estar preparado para saber lidar com todos os problemas, principalmente o relacionamento e a comunicação que são os principais fatores de sucesso.


Fonte: Por Nelize Zymberg, in www.jornaldacomunicacao.com.br
0