Presidente do Bradesco: “O banco valoriza a prata da casa”

Em janeiro de 2009, o advogado Márcio Laurelli Cypriano completará dez anos à frente do Bradesco. Nesta década, o valor de mercado do banco saltou de R$ 6,5 bilhões para R$ 87,5 bilhões. Paulistano, 64 anos, Cypriano é o terceiro presidente do Bradesco em 65 anos. “É uma questão de valorização da prata da casa”, diz, sobre a cultura do Bradesco. Um dos mais experientes executivos do mercado financeiro, trabalhou no Banco da Bahia e, com a aquisição deste pelo Bradesco, em 1973, galgou posto atrás de posto até chegar à presidência, em 1999. Começou a trabalhar aos 12 anos e considera Amador Aguiar, o fundador do Bradesco, sua maior inspiração. “Ele dizia que nada deve ser mais importante do que o trabalho. Sigo isso até hoje”, afirma Cypriano.


1>>>Deixar a presidência do banco será mais difícil do que foi assumi-la? Marcelo de Carli | Porto Alegre, RS
Ainda não pensei nisso. Mas, de qualquer forma, comecei a trabalhar muito cedo, com 12 anos de idade. O banco não foi meu primeiro emprego. Fui vendedor e divulgador de discos, trabalhei com transporte pesado, vendia carretas e caminhões, tive uma lanchonete e outras atividades. Sempre procurei me empenhar muito em cada uma delas. Vai ser uma guinada na hora em que vencer o meu prazo, mas isso é coisa da vida: todos nós vamos ter o nosso dia.

2>>>Como se manter durante dez anos no principal cargo de uma corporação, sendo que, hoje, a média de permanência do CEO em sua função é de aproximadamente quatro anos? Marco Lopes | Miraí , MG
Você precisa considerar a cultura do banco. O Bradesco tem 65 anos e até hoje só teve três presidentes. É uma questão de valorização da prata da casa. Para mim, é surpresa que o CEO de uma empresa fique só quatro anos no cargo. Acho que é muito pouco tempo, porque normalmente você traz seus planos de desenvolvimento, investimento e depois tem de colher os frutos.

3>>>Quais foram os principais obstáculos que o sr. superou? Algum dia pensou em desistir de tudo? Gustavo Vilani | Goiânia, GO
Isso [desistir de tudo] não. Não diria nem que são obstáculos. O que a gente tem são desafios. E os principais desafios que colocamos foram metas arrojadas para o quadro de funcionários. Quando assumi a presidência, em 1999, nosso primeiro objetivo foi que o banco atingisse 10 milhões de contas correntes em dois anos, saindo de 6 milhões. Era uma meta bastante arrojada, mas isso deu uma sinalização para o nosso quadro do que queríamos, qual seria o principal fundamento da gestão: expansão e desenvolvimento. Acho que esse foi o maior desafio.

4>>>Corremos o risco de ver ocorrer aqui algo similar à crise hipotecária dos EUA, devido ao alongamento dos prazos para financiamentos de bens duráveis? Laércio Oliveira da Silva | Diadema, SP
Não, de jeito nenhum. Essa pergunta é extremamente importante, porque o mercado começou a partir para um prazo que assustava um pouco. Financiamento de veículos em 98 meses era um absurdo. Tivemos no início de acompanhar a concorrência, mas ao perceber que poderia haver uma fragilidade em relação ao tempo, reduzimos automaticamente o prazo. O Bradesco liderou esse movimento.

5>>>Como o sr. vê o Bradesco daqui a dez anos? Robson Zumkeller | São Paulo, SP
Vejo o Bradesco na liderança. O banco é líder de mercado desde a década de 50. Se você me fizesse essa pergunta dez anos atrás, eu jamais poderia imaginar que o Bradesco hoje seria o 19º banco do mundo em valor de mercado.

6>>>Como o Bradesco busca talentos novos? Quais características são valorizadas em um funcionário dentro do banco? Thiago Oliveira Lemos da Silva | Rio de Janeiro, RJ
Quando o funcionário é admitido como escriturário e depois vai crescer dentro da organização, é muito importante o treinamento. O banco investe aproximadamente R$ 60 milhões por ano em treinamento para o quadro de funcionários. É importante a determinação, a garra, a vontade de cada um de vencer. O funcionário que começa sua carreira aqui é observado durante todo o tempo.

7>>>O que uma empresa precisa para se tornar uma criadora de talentos, além de uma liderança que saiba identificá-los? Leopoldo Nunes | Fortaleza,CE
O acompanhamento próximo do funcionário. Os talentos despontam na medida em que têm oportunidades. Às vezes, um funcionário é mal aproveitado porque está numa área que não é o forte dele.

8>>>Quais decisões estratégicas se mostraram mais acertadas ao longo da trajetória do Bradesco? Delano de Vasconcellos | Fortaleza,CE
Várias, mas as 46 aquisições feitas ao longo da história do banco foram extremamente importantes.

9>>>Por que os bancos brasileiros não aproveitam a quebradeira dos americanos para fazer aquisições? Jairo Barreto | Murray, Utah (EUA)
No setor financeiro, você não pode pensar com oportunismo. Não é porque o sistema está ruim e você tem bancos em dificuldades lá que a gente vai aproveitar essa oportunidade.

10>>>O sr. não acha que o processo de internacionalização dos bancos brasileiros está muito lento? Quais os planos do Bradesco? Nelson Melo | Santos, SP
Não, acho que o Brasil tem muitas oportunidades ainda. Apenas 60% da população economicamente ativa é bancarizada. Fora do Brasil, o banco está onde sente necessidade de estar para atender seus clientes.


Fonte: Por Alexandre Teixeira, in epocanegocios.globo.com
0