Pular para o conteúdo principal

O verdadeiro relacionamento

Toda empresa, independentemente do ramo de atuação, nasce com a premissa de ganhar dinheiro. O que muitas desconsideram, porém, é que contribuir com um mercado mais justo e próspero pode servir como fator de motivação ainda maior na busca do sucesso no negócio.

Se uma empresa for considerada como um organismo vivo dotado de corpo, mente e alma fica mais fácil de assumir esta postura. Se torna possível também valorizar não apenas a dimensão monetária da riqueza, mas também - e na mesma ordem de importância - as riquezas filosófica (a essência do negócio), potencial (com quem se trabalha) e causal (para quem se trabalha).

A riqueza econômica traduz-se em lucro. Não é errado ambicionar receita. Ao contrário, ela é quem vai dar garantia de continuidade ao trabalho. Identificar o motivo da existência do negócio, ou seja, ter sempre em mente a razão e a essência da criação do empreendimento. Esse entendimento é fundamental no dia-a-dia, nas tomadas de decisões e para que a gestão permaneça bem focada.

Outro ponto fundamental da gestão envolve os colaboradores (ou funcionários). Eles são a alma da empresa, sua riqueza potencial, mas muitas vezes não recebem a devida atenção. É preciso colocar no centro das atenções uma equipe formada por pessoas que emprestam seu talento, força e dedicação diariamente às empresas. São os grandes responsáveis por fazer a diferença entre um simples negócio e um negócio de verdadeiro sucesso.

Todos esses conceitos devem ser permeados pela base de sustentação que completa a estrutura. E essa base é o consumidor final, elo inicial e final da extensa trilha empresarial. É ele a causa de todo o investimento e de todo o empenho do gestor.

Antes de tudo, é necessário entender que, quando o consumidor sai em busca de algo, mesmo que seja em seu subconsciente, é mais do que um objeto ou simples serviço que ele espera encontrar. Ele visa a um bem-estar, a uma sensação de desejo realizado, à satisfação em ter suas necessidades atendidas por completo. Além disso, o cliente não é um número, todos têm um nome, uma personalidade e é preciso conhecê-los bem.

É nesse ponto que muitas empresas enfrentam um abismo separando as palavras atender e satisfazer o cliente. E a ponte que une esses termos é construída com diferentes ações, como qualificar as pessoas que fazem a interlocução com o consumidor. O ideal é que o ato de compra seja sempre a expressão de um desejo satisfeito. A venda de qualquer produto ou serviço não pode ser um simples ato de comercialização. Deve ser precedido por um intenso trabalho de assistência contínua e permanente, de imersão no universo do cliente, de modo que o processo culmine na superação de suas expectativas e o deixe verdadeiramente feliz.

Quem se aventura nessa arte de empreender precisa ter claro que tais ingredientes são essenciais para que o "bolo" do sucesso cresça firme e saborosamente. No modo de preparo deve-se sempre misturar amor ao trabalho. Ele é o combustível para que o empenho seja máximo.

Este é um caminho para abrir a mente dos gestores de negócios e fundamentar uma relação leal e duradoura entre empresa e cliente. O resultado não poderá ser outro - um mercado mais ético, humano e bem-sucedido. Com ganhos para todos.


Fonte: Por Danielle Araújo - responsável pelo marketing e pelos programas de capacitação profissional da Futura Tintas, in www.clientesa.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …