Pular para o conteúdo principal

Os pequenos contra os gigantes

“Como podem existir pelo mundo 22 milhões de crianças até seis anos com sobrepeso?”. Essa é a pergunta da campanha Junk Food Generation, mantida pela Consumers International (CI). E o principal culpado, segundo a CI, única organização global e independente de defesa dos consumidores, é nada menos que o marketing praticado pelas gigantes Coca-Cola, Kellogg’s, KFC, McDonalds, PepsiCo e Nestlé. “Parem o marketing de junk food a crianças”, levanta a bandeira.

A pesquisa “The Junk Food Trap” realizada pela organização na Ásia revelou “como marcas multinacionais estão usando persuasivas técnicas de marketing para influenciar as preferências de crianças e adolescentes”. Membros da CI em Fiji, Hong Kong, Índia, Indonésia, Malásia, Nepal, Filipinas e Tailândia ficaram de olho nos movimentos de seis gigantes: Coca-Cola, Kellogg’s, KFC, McDonalds, PepsiCo e Nestlé. “Descobrimos que essas empresas ignoram as legislações nacionais e anunciam seus produtos não-saudáveis a crianças de forma inescrupulosa”, diz o relatório da pesquisa, disponível em seu site.

O discurso da CI está longe de ser amigável. Definitivamente, partiram para o ataque. “Mostramos no estudo como as crianças na Ásia estão presas na armadilha do marketing do junk food”. Esse marketing vai desde sofisticadas promoções na internet a apelos e endossos de celebridades e personagens infantis. Na visão da CI é essa intrincada rede de ações de marketing voltada ao público infantil que está tornando as crianças reféns de dietas ricas em gordura, sal e açúcar, o que tem contribuído para as taxas discrepantes de crianças com sobrepeso na região.

Apenas no sul da Ásia, presume-se que a porcentagem de crianças clinicamente obesa crescerá 27,5% entre 2005 e 2010 – um crescimento mais rápido do que o observado em qualquer parte do mundo. Entre as explicações para isso, estão as ações de marketing com enorme adesão - na Malásia, por exemplo, o KFC’s Chicky Club (um clube de vantagens para crianças) já conta com 58 mil membros – e níveis inadequados de açúcar e gordura nos alimentos oferecidos por estas redes: o Kellogg’s Frostie’s, segundo o estudo, contém nada mais que 41g de açúcar numa porção de 100g (15g já é considerado alto); o Milo Energy Bar da Nestlé com seus 25g de gordura saturada para uma porção de 100g está bem acima dos 5g recomendados (que já é considerado alto para a UK Food Standards Agency). A culpa, segundo o estudo é também da falta de vigilância das agências regulatórias destes países, o que inclui a completa ausência de informações nutricionais nas embalagens na Índia ou a quase inexistência de leis sobre esse aspecto no Nepal. “As empresas estão levando vantagem sobre as regulamentações falhas para promover seus alimentos não-saudáveis, algo que eles haviam prometido não usar em países ricos”, diz Indrani Thuraisingham, responsável pelo escritório da Consumers International na Ásia.

Na contramão
Se por um lado a CI comprou briga com gigantes , do outro pequenas redes com propostas diferenciadas começam a surgir – e a crescer. O que dizer da rede nova-iorquina Kidfresh que oferece o sonho de toda mãe: comida saudável e divertida, com rapidez? A loja oferece comidas prontas, numa combinação de alimentos naturais, frescos e orgânicos (conservantes, gordura trans e colorantes artificiais estão banidos), com uma apresentação divertida (alimentos com cortes divertidos como pães no formato de barco), em diversos tamanhos e porções dependendo da faixa etária – tem desde os lanchinhos e café da manhã até refeições completas. Se a proposta é boa, estrategicamente, a Kidfresh também está bem amparada.

uas 15 lojas estão em espaços como a famosa loja de brinquedos nova-iorquina FAO Schwarz, no aeroporto JFK e em unidades do “mercado verde” Whole Foods. Focando num público de alta demanda para alimentação rápida-saudável, a rede pretende, até 2019, ter mais de 50 lojas.


Fonte: Por Ticiana Werneck, in www.consumidormoderno.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …