Pular para o conteúdo principal

Pesquisa decifra relação de baixa renda com as marcas

Basta espiar jornais e revistas para deparar com reportagens sobre a expansão dos negócios destinados às classes populares. Mas como será que os consumidores dessas camadas sociais se relacionam com as marcas e como fazer negócios com esse público?Essa foi a questão central que guiou o estudo “O consumo popular e as marcas: construindo confiança para gerar valor”, realizado pela Troiano Consultoria de Marca e o Ibope Inteligência.

“Queríamos saber como fazer negócios com esse público”, diz Cecília Russo Troiano, diretora da Troiano e também responsável pela coordenação da pesquisa junto com Marcelo Coutinho, especialista do Ibope Inteligência. O estudo foi realizado entre os meses de abril e agosto deste ano e entrevistou 3 mil pessoas em nove regiões metropolitanas do País. “O foco da pesquisa foi o consumidor com uma renda entre um e três salários mínimos, cerca de R$ 415 a R$ 1,5 mil”, comenta Cecília. O modelo da pesquisa combinou a extensão com a profundidade e focou quatro mercados específicos: cerveja, fast food, financeiro e telecom. Foram consultadas 64 marcas desses segmentos.

A pesquisa levou em consideração alguns quesitos, como produto, distribuição, preço, atendimento, comunicação e marca. “Dentro desses parâmetros encontramos quatro marcas que conseguiram atingir os melhores índices de confiança”, diz Cecília — por contrato, as marcas não podem ser reveladas. “A análise de cada uma permitiu detectar como elas construíram essa relação de confiança com esse público”, conta a coordenadora.

Um outro fator comentado pela coordenadora é a qualidade dos produtos ou serviços oferecidos por essas marcas. “Não é por oferecer um produto ou serviço para uma classe com menor poder aquisitivo que tem que ser com qualidade ruim”, afirma Cecília. Além disso, a marca tem que manter uma comunicação constante com o consumidor, seja pela embalagem, ponto-de-venda ou campanhas publicitárias. “As marcas que têm uma relação de confiança com o público estão sempre em comunicação com ele. Sempre têm uma história para contar”, comenta a executiva.

Preço não é decisivo
O último fator observado por Cecília — mas não menos importante — durante o estudo é o preço. “Este definitivamente não é um gerador de confiança ou de sucesso para uma marca”, afirma Cecília. “Uma frase muita utilizada por esse público é ‘o Barato sai caro’. Muitas vezes esse público até paga mais caro para ter um retorno do produto”, completa a executiva.

A coordenadora destaca ainda o fato de que, apesar de 70% das pessoas entrevistadas declararem que possuem uma dívida no momento e 58% terem mais dívidas hoje do que há dois anos, “essas pessoas querem e acreditam que vão seguir crescendo e todas vislumbram um futuro melhor para si e para os filhos”, afirma Cecília. “As marcas serão grandes aliadas nesse projeto.

Mais do que para o público AB, essas pessoas vêem as marcas como parceiras de seus projetos de futuro. As marcas são a materialização dos sonhos”, completa.


Fonte: Por Sheila Horvath, in Gazeta Mercantil
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …