Pular para o conteúdo principal

Promover experiência. Este é o recado

Parafraseando Vinicius de Moraes, desculpe-me todas as outras ações de Marketing, mas promover Experiência é fundamental. Nenhum dos 14 palestrantes que passaram pelo IV Seminário Marketing 360º deixou de falar sobre como as marcas devem conquistar seus clientes através de momentos únicos.

A crise financeira mundial também foi bem citada por todos. Ninguém, porém, está com medo dela. Nenhuma empresa fará menos investimento para 2009. Somente alguns setores serão mais afetados e, na média, manteremos o mercado aquecido. Em alguns segmentos, menos, mas em geral, a hora é de continuar trabalhando.

As novas fronteiras do Marketing, apontadas por Paulo Giovanni, da Mix Brand Experience e Pop Trade, situou a todos que a comunicação tradicional está perdendo espaço para novas formas e meios de se comunicar a cada dia. Fenômenos na internet podem ajudar ou atrapalhar as marcas. Ganhar espaço no ponto-de-venda nunca foi tão importante.

Inovação e relacionamento
No campo das ações de comunicação, Peter Krieg, CEO Mundial e um dos fundadores da Copernicus Marketing Consulting, deixou claro que temos que experimentar novas formas de conquistar o consumidor. O destaque são as ações de branded content e que usam o próprio consumidor como mídia. Investir pelo menos 15% em novas ações deveria fazer parte do orçamento de toda companhia.

Quando o assunto é relacionamento com cliente - outro tema que gerou grande interesse - a palavra de ordem entre os tradicionais programas de fidelidade é relevância. Somente consegue aumentar o valor do cliente as empresas que dão algo de relevante em troca.

E somente as empresas que conhecem bem os seus consumidores conseguem oferecer boas experiências a eles. Daí a importância do banco de dados, que se enriquece com as possibilidades da internet participativa e interativa. Hoje é possível captar diversos hábitos e desejos do consumidor com um clique, mostrou Danilo Vasconcellos, Head de Planejamento Estratégico da Accentiv’ Brasil.

Consumidores são pessoas
Tão importante quanto tudo isso só mesmo a tal da experiência. Desde um bom atendimento numa loja tradicional, conforme salientou Marcelo Cherto, Presidente do Grupo Cherto, até um jantar nas alturas, conforme mostrou Beth Furtado, Diretora de Planejamento da QG Propaganda e autora do livro “Desejos Contemporâneos”.

Beth deixou claro algo que esquecemos constantemente: Marketing é uma disciplina voltada para as pessoas. E, sem medo de ser piegas, pessoas vivem de experiência. E o que estamos proporcionando aos nossos clientes? Filas, falta de atendimento, produtos padronizados, pós-venda deficiente.

Muitas empresas estão se inspirando na gestão dos produtos e serviços do luxo para promover experiências únicas. Antes, porém, deveriam fazer o dever de casa muito bem feito. No luxo, apresentado no primeiro evento do Mundo do Marketing em São Paulo por Luiz Tambor, Diretor de Marketing da Land Rover no Brasil, a qualidade e o serviço devem ser impecáveis.

Este assunto, aliás, não deveria estar em pauta, mas quando se fala em experiências, temos que destacar as memoráveis porque o que não falta são más experiências que as empresas promovem aos seus clientes todos os dias. É a internet que fica lenta. O celular que não funciona. Isso também é experiência.


Fonte: Por Bruno Mello, in www.mundodomarketing.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …