Pular para o conteúdo principal

Setor de brinquedos intensifica ações de Marketing no Dia das Crianças

O setor de brinquedo tem sido impactado nos últimos tempos por sucessivos processos de recall de produtos. Mau funcionamento ou falha na segurança são os motivos principais que já leva a alguns pais a comprar com desconfiança esse tipo de presente para seus filhos. Esta preocupação cresce à medida que se aproxima o Dia das Crianças. Para as empresas, é um desafio a mais na hora de planejar as ações de Marketing para esta data.

Nos últimos oito anos, o Ministério da Justiça contabilizou 38 processos de recall de brinquedos. Com quatro produtos na lista, a Gulliver afirma que o recall não afeta diretamente as vendas nem a imagem da empresa, “pois nada tem a ver com outras linhas de produto”, afirma Paulo Benzatti, Diretor Comercial da Gulliver. Segundo ele, o recall não seria um aspecto negativo, mas sim “fruto do amadurecimento das relações de consumo”.

A Mattel corresponde por 32 dos recalls no Brasil, ou seja, 86% do total. Segundo o Instituto de Defesa do Consumidor, em todo o mundo já são 50. Procurada pelo Mundo do Marketing para comentar os critérios de qualidade dos produtos e ações de Marketing para convencer o consumidor disso, a empresa explicou que os executivos não poderiam responder por estarem fora do país.

Parceria com lojas de brinquedos para organizar recall
Para passar confiança no Dia das Crianças, a Gulliver fez parceria com as lojas de brinquedos de todo o país onde os consumidores podem trocar os produtos Magtastik e Magnetix Jr., da fabricante canadense Mega Brands, por outros da Gulliver. Quem quiser ser ressarcido, porém, deve entrar em contato com o SAC da empresa, onde deverá conseguir orientações para o envio dos produtos pelo correio com a promessa de devolução do dinheiro em até 15 dias.

“Acreditamos que esse processo demonstra um ato de responsabilidade e respeito junto aos consumidores. Eles estão sendo bem atendidos nesse procedimento, por meio de ampla divulgação e estabelecimento de diversos pontos de troca e canais de atendimento, inclusive com uma resposta ágil, tanto no ressarcimento quanto nas trocas”, explica o executivo da empresa em entrevista ao Mundo do Marketing.

Na Gulliver, a produção nacional de brinquedos da marca responde por 30% dos produtos. O restante é importado, com quase a totalidade de sua fabricação concentrada na China. Apesar das falhas, todos os produtos passaram por testes, tais como o do Inmetro e do Instituto Brasileiro de Qualificação e Certificação (IQB).

Estrela: case do setor sem recalls
A Estrela, por sua vez, vangloria-se por nunca ter passado por qualquer processo de recall durante seus 70 anos. A empresa trabalha com a produção de brinquedos em fábricas brasileiras para 55% dos produtos, enquanto o restante é importado (tanto peças como itens prontos) principalmente da China.

Para garantir a qualidade, a empresa utiliza laboratório internos de testes referendados pelo Inmetro. São feitos ensaios físicos e mecânicos, químicos, elétricos, de verificação da rotulagem e de identificação do fabricante. “Sempre foi uma diretriz da marca a segurança dos consumidores, tanto que fomos uma das empresas a incentivar o Código de Defesa do Consumidor (NR: instituído em 1990)”, explica Aires Leal, Diretor de Marketing da empresa.

Recalls de concorrentes favoreceria Estrela
Aires Leal explica que o processo de recall enfrentado por outras marcas acaba manchando por um momento o setor de brinquedos, o que se reflete, em um primeiro momento, na queda nas vendas no setor em todas as marcas. “Posteriormente, no entanto, faz com que nossas vendas cresçam, uma vez que o consumidor fica atento em relação à marca e a qualidade de seus produtos, o que o leva a optar pela Estrela”, explica o Diretor de Marketing ao site.

Isso não impediu a marca de se preparar no caso do pior acontecer. Além do Serviço de Atendimento ao Consumidor, a companhia conta com uma rede de oficinas autorizadas onde podem ser efetuados consertos ou trocas de produtos em caso de recalls. Além disso, para evitar que a imagem da empresa seja prejudicada por conta da baixa qualidade de brinquedos falsificados, a Estrela realiza constantemente recolhimento de produtos piratas em parceria com órgãos públicos.

Expectativa para o Dia das Crianças é alto
De qualquer modo, as marcas de brinquedos já se preparam para o Dia das Crianças. A Associação de Lojistas de Shopping esperam um aumento nas vendas de até 12% em relação ao ano passado, com tíquete médio entre R$ 30 e R$ 70. Já no comércio virtual, a estimativa do e-bit é que as vendas subam 30%, faturando R$ 359 milhões esse ano, com tíquete médio de R$ 300.

A Estrela espera um aumento de 25% na encomenda do varejo e prepara o lançamento de 120 novos brinquedos para a data. Para isso, veiculará uma campanha publicitária e já colocou 300 promotores para incentivar a experimentação de produtos em pontos-de-venda. O Dia das Crianças representa 30% do faturamento anual para a marca. Juntando com o Natal, o índice sobre para 70%.

Já a Gulliver espera um crescimento de 20% nas vendas, o que anularia a baixa de 25% sofrida no primeiro semestre. Ao final do ano, a empresa almeja alcançar 10% de crescimento no acumulado do ano. Para isso, prepara o lançamento de 13 novos brinquedos e uma campanha publicitária na TV paga. A marca também recrutou 40 promotores para atuar em pontos-de-venda.

Veja o que outras empresas prepararam para a data
A Renner está dando 20% de desconto e um título infantil em DVD nas compras de produtos infantis acima de R$ 50. Um concurso cultural no site da marca presenteará o vencedor com um videogame Playstation 2.

A praça de eventos do Shopping Metrô Boulevard será palco da peça “Os Padrinhos Mágicos”, baseado no desenho animado homônimo. O espaço ainda terá atividades para as crianças até o dia 19 de outubro. Quem assina a criação é a agência SM2.

O Shopping Jardim Sul, em São Paulo, disponibilizou até o dia 12 oficinas educativas para crianças, onde os pequenos poderão aprender a personalizar pantufas. Para participar, basta o responsável apresentar um cupom fiscal no valor mínimo de R$ 50 em compras. O shopping fará ainda desfiles para apresentar a coleção infanto-juvenil primavera/verão 2009 das lojas que compõem o centro de compras.

A loja Happy Town espera aumentar em 40% as vendas. A loja de bichinhos de pelúcia personalizados aproveitou a aproximação da data para lançar um clube de relacionamento com clientes, onde o consumidor poderá juntar pontos para trocar por um conjunto de roupas para o seu bicho de pelúcia. Além disso, a empresa lança conjunto de produtos promocionais.
A Riachuelo dará R$ 1,5 milhão em brindes a cada R$ 40 em compras. Os prêmios vão desde gloss das Meninas Super Poderosas até tocadores de MP3. Uma campanha publicitária reforça a ação.

A Perdigão realiza um concurso cultural e a promoção “comprou ganhou” para promover os produtos da linha Turma da Mônica. O consumidor que levar dois produtos ganhará um caderno exclusivo dos personagens. Serão dois modelos produzidos especialmente para essa ação. Além disso, um concurso cultural na internet www.turminhaperdigao.com.br dará ao vencedor uma bolsa de estudo no valor de R$ 20 mil. A marca espalhou ainda promotores em 180 pontos de venda e distribuiu materiais de merchandising para as lojas. Quem assina a ação é a MR Promoções e Evento.

A Positivo Informática está lançando três pacotes com softwares educativos estrelando personagens da Disney, como Pato Donald, Rei Leão, Peter Pan e Pocahontas. Além disso, está dando de brinde um ioiô para quem comprar um jogo de videogame da Disney.

O Comprafacil.com espera um aumento de 120% nas vendas no período de Dia das Crianças em relação à 2007. Serão mais de três mil brinquedos em oferta de até 50% – cerca de 20% dos produtos do site de comércio eletrônico. O consumidor poderá parcelar as compras em até 10 vezes sem juros.

O hipermercado Extra sorteará cinco pacotes de viagem "família" para a Disney World. A promoção é feita em parceira com a Disney e a CVC Viagens e custeará R$ 15 milhões, a ser dividido entre as três empresas. Haverá ainda distribuição de 10 mil prêmios e ofertas de brinquedos Disney. Algumas lojas de São Paulo, Sorocaba, Santos, Belo Horizonte, Brasília, Rio de Janeiro e Fortaleza contarão com eventos Disney, como exibição de filmes do estúdio ou espaços temáticos de recreação. A cada R$ 20 em compras, a criança terá direito a participar de uma das atividades.


Fonte: Por Guilherme Neto, in www.mundodomarketing.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …