Pular para o conteúdo principal

Vencedores do Prêmio Intangíveis Brasil

As mil maiores empresas brasileiras, à exceção de holdings, vem sendo sistematicamente avaliadas desde janeiro deste ano, de acordo com os diversos critérios e etapas de avaliação para o PIB. Neste período, uma parte das empresas já foi desqualificada em função dos critérios de exclusão definidos para a premiação, disponíveis no endereço acima. As empresas selecionadas para a segunda etapa da avaliação receberam um questionário por e-mail.

Com base nesse conjunto de informações, uma equipe multidisciplinar de analistas especializados nos 8 ativos monitorados (Governança Corporativa; Sustentabilidade; Marcas; Conhecimento Corporativo; Inovação; Tecnologia da Informação e Internet; Talentos; Clientes e Consumidores), suportada por um corpo de notáveis, avaliou as empresas nessas 8 categorias de ativos em 15 setores de economia a fim de definir o ranking dos 50 melhores – CMDOM50, os TOP 5 por setor e os vencedores em cada ativo.

É importante realçar que o prêmio parte da premissa central de que ativo intangível só tem valor se é percebido pelo stakeholder externo e que tem como prerrogativas tanto gerar, como proteger valor ao acionista. Desta forma, a metodologia IAM, da DOM Strategy Partners, adaptada para finalidades do prêmio, adota como referencial a posição exógena (de fora para dentro), ou seja, simula a percepção dos diversos stakeholders externos à organização, tais como acionistas, investidores, analistas, market-makers, clientes, colaboradores, mídia, blogueiros, ONGs, setor público, etc.

De acordo com Daniel Domeneghetti, CEO da DOM Strategy Partners e responsável técnico pela metodologia e pelo prêmio, os valores intangíveis de uma empresa (bens não-físicos) constituem parte do valor econômico de uma companhia que, geralmente, não fazem parte de seu valor tangível contábil (patrimônio, receitas, lucros). No entanto, os ativos tangíveis são facilmente identificáveis e, portanto, passíveis de serem copiados pelos concorrentes; já com os intangíveis isso não acontece facilmente. “Como os balanços atuais não discriminam os intangíveis como ativos de valor, os mesmos são considerados como despesas ou custos para as empresas”, explica o consultor.

Para Roberto Meir, publisher do Grupo Padrão e um dos idealizadores da premiação, o prêmio PIB é uma iniciativa pioneira, arrojada e absolutamente necessária ao mercado nacional, ainda mais agora que as companhias abertas terão, até 2010, de adequar suas demonstrações contábeis ao padrão internacional IFRS (Internacional Financial Reporting Standards), que endereça a necessidade de identificação e avaliação de alguns dos ativos intangíveis mais claros.

“Como publisher de revistas especializadas em questões intangíveis, como marcas, reputação, relacionamento, clientes, sustentabilidade (Consumidor Moderno) e tecnologia, gestão, inovação, conhecimento (B2B Magazine), percebi que já era hora de o País reconhecer a competência dos empresários e executivos realmente preocupados em construir empresas perenes, competitivas e transparentes. O PIB veio para realçar esse perfil de empresa e estamos extremamente satisfeitos com o que estamos colhendo já neste segundo ano. A credibilidade metodológica, a riqueza dos parceiros envolvidos e o evento em si são nossa fórmula para a credibilidade que estamos construindo”, ressalta Meir.

Confira a lista de vencedores do Prêmio Intangíveis Brasil:

Marca Brasil: Ambev (Guaraná Antártica)
Top Intangíveis Sustentabilidade: Banco Real
Luxo: Iguatemi
Melhor no Novo Mercado: Cyrela
Pioneirismo: BNDES


Clientes e Consumidores: O Boticário
Conhecimento Corporativo: Petrobrás
Governança Corporativa: CPFL
Inovação: Samarco
Marcas: Vale
Sustentabilidade: Aracruz
Talentos: Ambev
Tecnologia da Informação e Internet: Bradesco


Fonte: www.consumidormoderno.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …