Pular para o conteúdo principal

Advertainment usa entretenimento para divulgar marcas

Quando se fala em Marketing Digital, sempre vem à mente ações realizadas de divulgação nos portais, com banners “Rich Media” ou nos sites de busca e suas técnicas sobre como otimizar seu site para que esteja bem posicionado, além dos links patrocinados. Mas uma aplicação muito interessante é o advertainment - o uso do entretenimento como forma de divulgação e criação de marca - como ferramenta que pode ser muito útil para alguns tipos de produtos.

Pode ser feito em shows e até mesmo jogos esportivos. Mas os melhores exemplos estão, sem dúvida, no mundo digital, com suas infinitas possibilidades. Uma das principais aplicações pode ser observada em jogos, o advergaming - uso dos jogos como ferramenta de Marketing.

As vantagens ao se utilizar o advergaming são bem interessantes, pois a idade média dos jogadores é de 29 anos, ou seja, um público de milhões de pessoas com poder de consumo, e não apenas crianças e adolescentes, como se poderia supor. Outro fator relevante é a imersão, pois quando estão jogando, as pessoas ficam completamente focadas, não há dispersão de atenção, o que sabemos que é dificílimo ser obtido em outras formas de mídia.

Além disso, os fabricantes investiram muito em tecnologia, levando a grandes inovações e mais velocidade, fazendo com que essa imersão seja ainda maior. Basta citar o exemplo do Wii, da Nintendo, no qual o jogador interage fisicamente no jogo. Os games on-line são uma modalidade muito interessante, pois permitem que a publicidade seja atualizada de forma rápida, além da segmentação, adequando a comunicação para quem está on-line, de acordo com região, sexo, idade, etc.

Há alguns formatos que detalham os diferentes tipos de divulgação em jogos:
• Advergames: são "jogos - an úncios", criados especificamente para promover um produto ou serviço;

• Dynamic In: os elementos da publicidade de um jogo online mudam dinamicamente dependendo da localização geográfica, dia da semana ou horário do dia (outdoors, painéis, etc);

• Inter - level Ads: os anúncios são exibidos durante pausas normais do jogo, como na passagem de níveis (inter-level) ou depois de completar cada fase;

• Game Skinning: inclui patrocínios de unidades ao redor do jogo e personalização da marca integrada ao jogo;

• Product Placement: as mensagens e marcas são integradas à ação do jogo (por exemplo bebidas, carros, celulares);

• Patrocínios: o anunciante compra 100% do espaço dentro e ao redor do jogo, como o patrocínio de um nível;

• Static In: elementos de publicidade que não podem ser alterados no jogo. Eles podem estar dentro do próprio game, nos menus, painéis, etc.;

• Post-game: exibe anúncios no encerramento do jogo;

• Pre-game: exibe anúncios em vídeo antes da partida ou enquanto o jogo é carregado.

Um exemplo famoso é o jogo Guitar Hero, competição entre guitarristas, que tem a marca Fender como uma das opções a serem utilizadas pelos competidores. Pelo fato do produto fazer parte do contexto, esse tipo de divulgação não costuma incomodar aos jogadores, muito pelo contrário, para eles, o jogo se torna ainda mais “real”.

Portanto, torna-se interessante levar em conta e utilizar as diversas possibilidades que essa ferramenta permite, antes que a “poluição” virtual ocorra, ou seja, que não se tenha mais espaço para sua marca em jogo algum.


Fonte: Por Sandra Turci - Superintendente de Marketing da Associação Comercial de São Paulo, in www.mundodomarketing.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …