Pular para o conteúdo principal

O valor do bate-papo dentro do escritório

Um dos experimentos mais instigantes sobre o ambiente de trabalho vem sendo conduzido atualmente pelo laboratório de mídia do MIT, o Massachusetts Institute of Technology. O professor Alex Pentland desenvolveu um aparelhinho, nas dimensões de um crachá, que funciona como um sensor. O equipamento registra todos os movimentos dos funcionários de uma empresa e lista como e com quem cada um interagiu no expediente.

Pentland chegou a uma conclusão que colide com o senso comum: os funcionários que gostam de bater papo são os mais produtivos. O conteúdo da conversa, nesse caso, não é relevante. Pode ser sobre futebol, novela, fofocas, não importa o tema. O fato é que, de acordo com o resultado, aqueles que estabelecem contatos mais frequentes nos corredores, ao lado do bebedouro ou na sala de café têm um desempenho superior ao dos demais – o mesmo não vale para as conversas travadas em meio à realização de uma tarefa, que têm um efeito nefasto. Erram, portanto, os chefes que gostam de checar se todos os subordinados estão em suas mesas, de acordo com Pentland. De acordo com o professor do MIT, seria melhor, do ponto de vista da empresa, que fossem estimulados a conversar com seus colegas e a construir novas relações sociais.

Por que o bate-papo aumenta a produtividade?
Pentland ainda não tem uma resposta. Afirma acreditar que uma das razões seja de natureza emocional. “Se você não interage fisicamente com os colegas, torna-se mais frágil e inábil para lidar com o estresse e os solavancos do trabalho”, diz. Ele constatou baixa produtividade entre os que escrevem muitos e-mails, atividade que consome tempo e dispensa contato físico. Pentland supõe que, por também conversarem sobre questões de trabalho, entre outros assuntos, os funcionários acabam tendo acesso a insights que os ajudam a superar desafios profissionais. O equipamento desenvolvido por Pentland capta os movimentos mais sutis dos usuários. É possível saber, por exemplo, com quem trocam olhares. A entonação e a cadência da voz são analisadas por meio de algoritmos, que revelam a empolgação e a sinceridade dos interlocutores, por exemplo. Funcionários de grandes corporações, como a Nissan e a Cisco, já usaram o equipamento.

O objetivo do sensor é capturar o que Pentland chama de “sinais honestos”, mensagens inconscientes que as pessoas lançam a todo instante durante sua interação com o mundo. Uma realidade que não consegue ser desvendada por completo pelas tradicionais pesquisas de opinião, nas quais os entrevistados costumam dar respostas enviesadas sobre o próprio comportamento. Ele admite que, no futuro próximo, a engenhoca possa ser usada não apenas para melhorar a eficiência de uma empresa. Interessados poderão usar o equipamento para melhorar suas habilidades de comunicação, por exemplo. Saberão se falam demais ou se interrompem os interlocutores em momentos indevidos.

Além do sensor que ajudou a desenvolver, Pentland também estuda, por meio de algoritmos, os sinais deixados por celulares – pesquisa classificada como uma das dez tecnologias que mudarão nosso mundo, de acordo com ranking divulgado no ano passado pela revista Technology Review, publicada pelo MIT.


Fonte: Revista Época Negócios
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …