Pular para o conteúdo principal

Vídeo on-line é aliado para gerar negócios

Pesquisas de interatividade revelam: o número de pessoas que preferem uma mídia com dinâmica visual e que agregue algum tipo de informação ou entretenimento aumenta diariamente! O rádio foi o primeiro canal de notícia, música e entretenimento para uma grande parte da população. Depois veio a TV, seguida pelos VCRs (Videocassete Recorder), DVDs e iPods. Agora é a vez do vídeo on-line. Trata-se de um novo meio de comunicação que tem enorme impacto na internet.

Um grupo de pesquisa em soluções para esse canal prevê que o total de horas gastas com diversão baseadas em vídeo chegará, em média, a 8 por dia até 2013 e a maioria dessas horas vai pertencer ao vídeo online.

Neste ano, certamente, o vídeo on-line será tópico de discussão como principal veículo de comunicação das empresas que possuem a preocupação de dar uma resposta rápida aos seus consumidores a qualquer momento.

O real potencial do vídeo na internet, entretanto, não é assistir ao Lost ou ao The Office ou mesmo baixar músicas para seu celular ou iPod. Isso é dar ao consumidor o que ele quer, no momento que ele desejar com comprometimento. O vídeo não é um segundo plano ou um adereço para os negócios na internet, mas o conteúdo primário dos portais de negócios.

As expectativas do usuário on-line têm mudado dramaticamente com o passar dos anos, e as empresas que não evoluírem suas estratégias na web estão prestes a perder diversas oportunidades de negócios.

O mais fascinante sobre o surgimento do vídeo na internet é que ele não está sendo produzido apenas por empresas de comunicação e entretenimento. A maioria dos negócios é desenvolvida por organizações que não são de mídia, como prestadores de pequenas empresas e grandes marcas como Nike e Apple. Todos esses negócios dividem um desejo intenso de potencializar a impressão positiva da marca, criando uma experiência engajada, com o simples objetivo de aumentar a fidelidade do cliente.

A web é agora o ponto primário para o consumidor e o canal comercial para muitas organizações. O vídeo, por sua vez, é o responsável por conduzir as experiências na internet - educar, entreter e manter o retorno dos consumidores. A importância do vídeo transcende a experiência do consumidor. Trata-se de uma transformação das organizações para melhorar as vendas, o marketing e a comunicação.

As empresas podem melhorar o empenho dos consumidores, parceiros e prospects com demonstrações de produto e apresentações em vídeos. A Apple recentemente tonou disponível um vídeo de 30 minutos para acompanhar seu novo iPhone. Trata-se de um manual e um guia de serviços. A Blendtec, fabricante de eletrodomésticos, atribui cerca de 700% no crescimento de suas vendas por meio dos vídeos demonstrativos sobre a utilização dos produtos.

Externamente, os vídeos são uma vitrine para que qualquer pessoa possa conhecer melhor a empresa. Já internamente, o vídeo vai iniciar uma forma primária de comunicação. Será possível realizar treinamentos, encaminhar um e-mail aos colaboradores de uma empresa com uma saudação em vídeo ou ainda dividir o conhecimento e as melhores práticas de um serviço.

Os praticantes mais sofisticados do vídeo on-line vão iniciar de fato um "network" da corporação - constantemente emitindo suas notícias e informações para consumidores, empregadores e parceiros.

Este futuro está muito mais próximo do que você imagina. Os vídeos já estão sendo desenvolvidos para permear a internet de uma forma que vai além dos generalizados clipes do YouTube. O design e a flexibilidade da web faz disso um meio visual poderoso, com movimento de imagens, Flash e animação que rapidamente tornam uma língua única. Por isso, para as empresas privadas em geral ele é visto como uma grande oportunidade.


Fonte: Por dave Dutch - Vice-presidente de marketing e produtos da Vignette, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 10
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …