Pular para o conteúdo principal

Economia criativa é a estratégia de desenvolvimento do século

Economia criativa é um conceito ainda em formação para designar um setor que inclui, porém extrapola, a cultura e as indústrias criativas. De forma muito simplificada, podemos dizer que se trata de um setor que reúne atividades que têm na cultura e criatividade a matéria-prima. É um conceito amplo o suficiente para incluir nossa diversidade, tanto de linguagem quanto de modelos de negócios, englobando uma vasta gama que vai do indivíduo que trabalha educação complementar, por meio da música, a uma grife de automóveis de luxo.

Segundo o ‘Creative economy report’, lançado recentemente pela UNCTAD (Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento), em parceria com a unidade que assessoro, a South-South Cooperation Special Unit – Pnud/ONU, a economia criativa é formada por quatro núcleos de atividades, e seus setores, que vão do mais tradicional à tecnologia de ponta, estão num processo de desenvolvimento e ampliação que acompanha nossa própria história. São eles:

1) Núcleo do patrimônio material e imaterial: expressões culturais tradicionais (artesanato, festas populares, celebrações e cultura popular); equipamentos culturais (sítios históricos) e espaços culturais (museus, livrarias, teatros e exposições).

2) Núcleo das artes: artes performáticas (música, dança, teatro, ópera e circo) e artes visuais (pintura, escultura, fotografia e antigüidades).

3) Núcleo da mídia (produção de conteúdos): editoras e mídia impressa (livros, imprensa e outras publicações) e audiovisual (cinema, TV, vídeo e rádio).

4) Núcleo da criatividade aplicada: design (de interiores, gráfico, moda, jóias, brinquedos, móveis e objetos); serviços criativos (arquitetura, publicidade, pesquisa e desenvolvimento criativos, recreação, ‘edutenimento’ – termo que funde educação e entretenimento e oferece inúmeras oportunidades de futuro); e novas mídias (software, videogame e conteúdos digitais).


POR QUE É ESTRATÉGICA?
O grande diferencial da economia criativa é que ela promove desenvolvimento sustentável e humano e não mero crescimento econômico. Quando trabalhamos com criatividade e cultura, atuamos simultaneamente em quatro dimensões: econômica (em geral, a única percebida), social, simbólica e ambiental. Isso leva a um inédito intercâmbio de moedas: o investimento feito em moeda-dinheiro, por exemplo, pode ter um retorno em moeda-social; o investimento realizado em moeda-ambiente pode gerar um retorno em moeda-simbólica, e assim por diante.

As características citadas permitem que, ao promover a inclusão de segmentos periféricos da população mundial, ela também forme mercados. Afinal, não é mais possível só brigar por fatias de um mercado que englobam apenas de 30% a 40% da população mundial. É preciso fazer com que os cerca de 70% restantes adquiram cidadania de fato, conquistando também o papel de consumidores.

Uma vez que cultura, criatividade e conhecimento (matérias-primas da economia criativa) são os únicos recursos que não se esgotam, mas se renovam e multiplicam com o uso, são estratégicos para a sustentabilidade do planeta, de nossa espécie e, conseqüentemente, das empresas também. São como a galinha dos ovos de ouro. Os países desenvolvidos já perceberam o enorme potencial desse setor e muitos fizeram da economia criativa uma questão de Estado. O Brasil possui um imenso potencial, mas a falta de informação de lideranças empresariais e governamentais resulta numa triste receita da culinária nacional: estamos fazendo canja com galinha de ovos de ouro. Isso acontece a cada vez que perdemos a oportunidade de inovar, agregar valor e competitividade por meio de investimentos em produtos e processos que tenham seu diferencial na cultura.

Eis porque a economia criativa é estratégica não apenas para os negócios criativos, mas para todos aqueles que ganham competitividade por intermédio do que chamamos ‘culturalização dos negócios’: valor agregado a partir de elementos intangíveis e culturais. É nesse caso que se insere a indústria automobilística.


ECONOMIA CRIATIVA, FUTURO E O SETOR AUTOMOBILÍSTICO
Vivemos um momento em que há um novo motor da economia. Passamos por fases nas quais esse motor foi sucessivamente a matéria-prima, o produto, os serviços e, agora, é a vez da economia da experiência. A experiência é o ‘bem’ que tende a ser mais desejado, especialmente se forem experiências transformadoras. Exemplo: da matéria-prima café ao custo de US$ 0,1 a xícara, se for consumida num café exclusivo em Veneza, tem o custo de U$ 15... Os setores diretamente ligados à economia da experiência, como turismo e entretenimento, crescem a taxas seis vezes maiores que os outros. Vivências diferenciadas e valores simbólicos agregados aumentam a percepção de valor e fazem com que o intangível (como uma marca ou o trabalho criativo) valha mais do que o tangível (como uma fábrica ou o trabalho braçal).

A crescente importância do intangível traz um novo desafio para as empresas: a avaliação de intangíveis e seu papel nas organizações. Gestão de conhecimento, rede de relações, reputação, governança, inovação, design, parcerias tecnológicas e comerciais, criatividade. Tudo isso vale, e muito. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), por exemplo, tem se dedicado a desenvolver métodos de mensuração desse valor para que também possa embasar o financiamento das atividades criativas.

Nesse momento de transição, do tangível para o intangível, do concreto para o simbólico, as relações de negócios se transformam também. Temos um cenário no qual produtos e serviços são cada vez mais semelhantes, e o diferencial, que pode garantir tanto o desenvolvimento quanto a sobrevivência empresarial, será cada vez mais cultural, simbólico, baseado em relações e no tipo de experiência que o produto ou serviço oferece.

Um grande desafio empresarial no momento é conseguir ser visto (num mar de informações) e escolhido (num mar de ofertas e oportunidades diversas). Hoje, o consumidor escolhe aquilo que lhe proporciona uma experiência mais interessante, desperta sua simpatia, gera um sentimento de confiança, identificação.

A escolha de uma empresa ou marca está ligada a sua cultura e relação com a comunidade, assim como a valores culturais agregados ao negócio ou serve como base para inovação de produtos, serviços e processos. É o que faz com que se pague R$ 10 por um sabonete Natura (e existem sabonetes de R$ 0,90). Uma Ferrari tem um preço diferenciado, apesar de, como todos os outros carros, ter apenas quatro rodas e uma direção. Mas é mais que um carro, é um ícone. Evidentemente, com muita qualidade e tecnologia dando credibilidade a toda essa magia. Nesses e em outros casos, o design é um diferencial competitivo capaz de reinventar o negócio.

Nas últimas três edições do São Paulo Fashion Week, temos realizado Encontros de Economia Criativa com lideranças empresariais, governamentais, criativas e do setor financeiro para discutir o potencial que a área oferece e as estratégias para concretizá-la. “Setores considerados tradicionais, revitalizados pela economia criativa, têm nos ativos intangíveis uma nova forma de competitividade, inovando, pelo design, processos e materiais, tornando-se setores dinâmicos, capazes de exportar, atrair investimentos, gerar empregos e, sobretudo, sobreviver à violência da atual concorrência internacional” (Lidia Goldenstein, In Mod.).

Outro vetor que tem grande influência no futuro do setor é a transição de uma economia de ‘hits’ – alguns poucos produtos massificados que vendem muito – para o que tem sido chamado de ’economia do nicho’ (ou da “cauda longa” – conceito criado por Chris Anderson, editor da Revista Wired, num livro homônimo): diversos, pequenos, segmentados. Nichos que individualmente vendem pouco, mas somados representam uma fatia atraente e promissora.

Como atender a todas essas tendências e saber aproveitar as oportunidades que oferecem? A economia criativa nos oferece instrumentos para transformar nossa criatividade (potencial) em inovação (realidade).


Fonte: Por Lala Deheinzelin - presidente da Enthusiasmo Cultural, assessora em Economia Criativa e Desenvolvimento para o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) e membro do Conselho Executivo do Instituto Nacional de Moda e Design, in www.nosdacomunicacao.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …