Pular para o conteúdo principal

Fragmentação dos mercados

Chris Anderson, editor-chefe da revista Wired e autor do livro “A cauda longa”, apresentou a penúltima palestra do Fórum Mundial de Marketing e Vendas da HSM, no Teatro Alfa, em São Paulo. Para fundamentar sua apresentação sobre a nova dinâmica do marketing e vendas como forma de lucrar com fragmentação dos mercados, o autor mostrou conceitos de seu último livro e antecipou temas de sua próxima obra, intitulada Free.

Ele comentou as transformações ocorridas nas últimas décadas que ocasionaram uma revolução na forma de ver o mundo e entender os produtos e o mercado. Segundo ele, a criação de produtos de massa, que atingiam um número enorme de pessoas, típica do século passado, foi substituída pela segmentação. “Tínhamos o século focado no denominador comum. Aquele modelo de tamanho único não existe mais. Hoje somos medidos mais pelas nossas diferenças do que pelas nossas semelhanças”, afirmou.

Para Anderson, a internet contribui para a fragmentação dos mercados no sentido de disseminar produtos e preferências antes impossíveis de serem armazenadas ou percebidas. “Em termos de magnitude, há muito mais escolhas online do que numa loja física. Um terço dos livros vendidos na Amazon referem-se a livros que não estão nas prateleiras das livrarias”, apontou o editor. “Dominamos a cultura do século XX porque tínhamos o monopólio da distribuição. A internet chegou com um sistema de distribuição maior, uma prateleira infinita e sem custos”, completou.

Segundo o editor da Wired, conforme as culturas vão enriquecendo mudam-se os hábitos dos consumidores, que passam a se tornar mais individuais, ávidos por informação e novas escolhas. “Há vinte anos tínhamos três tipos de geléias. Hoje, temos trinta sabores diferentes. No varejo tradicional a revolução tecnológica permitiu mais produtos na prateleira com o mesmo espaço. Agora o mercado médio duplicou o número de opções”, explicou.

O autor chama a atenção da disponibilidade de dezenas de itens “granularizados” que se formaram com a fragmentação. “Cada uma dessas fatias de mercado se torna mais distinta à medida que vamos obtendo informações. Para cada abundância há uma escassez. Temos produtos caros para o mundo rico e outros produtos em outros mercados”, comentou.

É grátis
Com relação à polêmica da onda de gratuidade, cada vez mais presente na rede, o autor explicou de que forma ela se evidencia na rede. “Em termos econômicos a cauda longa é abundância. A internet recriou a economia do gratuito”, ressaltou. Anderson lembrou a iniciativa de King Gillete, de criar lâminas de barbear descartáveis e na impossibilidade de convencer que eram uma boa compra, distribuiu-as gratuitamente nos bancos e no exército para depois vendê-las.

Para ele, esse tipo de falso gratuito ainda existe, e além dele, o gratuito de marketing e o gratuito de mídia, onde o anunciante subsidia os custos do produto para que ele saia de graça para o consumidor. Na nova forma de economia gerada pela internet, e tema do próximo livro de Anderson, o gratuito é uma forma de ganhar dinheiro. “Tudo online está se tornando cada vez mais barato porque o gratuito é o único preço sustentável”, apontou.

Anderson deu exemplos da gratuidade presente na web como a entrada do Gmail no campo de e-mails com maior capacidade de memória quando outros cobravam por isso, e como o Yahoo não deixou de ganhar dinheiro cobrando por e-mails de capacidade ilimitada. Na questão dos videogames, o autor lembra que agora, eles estão disponíveis gratuitamente para dowloads mas, em alguns sites, a duração do jogo é cobrada.

“O cantor Prince distribuiu CDs gratuitos junto com o jornal para vender shows limitados”, ilustrou. De acordo com o editor, tudo o que se tornar digital acabará sendo gratuito. “A idéia é dar uma parte e vender outras”, indicou. “Tentem achar uma maneira de tornar o seu negócio gratuito e ver em qual dos modelos de negócios poderá criar algo de menor custo e sucesso”, finaliza.


Fonte: Por Erika Ramos, in www.consumidormoderno.com.br
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …