O jornalismo, além dos leads e dos releases

O jornalismo brasileiro anda cada vez mais burocrático e menos investigativo e, por isso mesmo, repetitivo, monótono, com cara de "pau mandado". As nossas inúmeras imprensas brasileiras (nunca existiu uma só, homogênea, nesse "Brasilzão" tão diverso), apesar de sistemas de produção distintos e visões muito díspares de seu papel na sociedade, têm se caracterizado por um atributo comum: a ausência de perspectiva crítica.

Certamente, a realidade (a mão visível do mercado) contribui para moldar o atual perfil dos nossos veículos jornalísticos que, nos últimos anos, têm se empenhado mais em buscar a sua sustentabilidade do que em garantir a sua independência editorial. Por isso, abundam os "publieditoriais" e "os projetos de mercado" (denominações que visam mascarar formas modernas de "jabaculê") e relações nem sempre éticas entre redações e anunciantes.

O jornalismo brasileiro anda sofrendo da "síndrome da sala de estar", ou seja, vive "cheio de dedos" com empresas, entidades e governos, procurando, a todo custo, não ferir suscetibilidades, como se a imprensa devesse estar sempre "a serviço de". Esta síndrome é percebida nas entrevistas que mais parecem bate-papo cordial entre amigos, nas coletivas onde bebidinhas e brindes desarmam as consciências e atenuam as perguntas, ou nas matérias frias derivadas de pautas adocicadas que chegam aos montões aos e-mails das editorias e dos jornalistas em particular.

Não podemos assistir passivamente ao esvaziamento da verdadeira função da imprensa, gradativamente refém dos leads e dos releases, concebida unicamente como uma atividade técnica, "profissional", desprovida de compromissos efetivos com a coletividade. Na verdade, é assim que o jornalismo é pensado e praticado na maioria dos cursos de formação, onde se privilegiam os aspectos operacionais e se sufocam os esforços de reflexão e de pesquisa.

O jornalismo brasileiro está se acostumando com os ambientes refrigerados, com o discurso neutro, "objetivo" , com o tapinha nas costas das fontes, com a ausência de tensão ou controvérsia, aproximando-se perigosamente da relação subserviente que vigora entre a maioria das assessorias de imprensa e seus clientes ou patrões.

O jornalismo brasileiro anda preguiçoso demais e vive a reboque de relatórios oficiais, das falas das autoridades e dos executivos, sem iniciativa para tentar novos caminhos, descobrir novas fontes, ousar novas abordagens. O jornalismo brasileiro anda com cara de "house-organ" empresarial, completamente insípido, insosso e inodoro.

Neste cenário, o sensacionalismo da mídia (louquinha para encontrar uma tragédia pessoal que a livre de investigar o que é realmente relevante) e seus espasmos de denuncismo (que perpetram episódios como o da Escola Base) apenas confirmam a tese de que o jornalismo brasileiro anda sem norte, sem escrúpulo e sem tesão. Anda cacarejando demais sem botar ovo algum.

É necessário, urgentemente, alterar este panorama, porque a sociedade continua acreditando que a imprensa pode contribuir para ampliar o debate, desmascarando pessoas e organizações que agem por debaixo dos lençóis, combatendo privilégios e monopólios e, sobretudo, estabelecendo parcerias em prol da autêntica cidadania.

O jornalismo deve ser visto, antes de tudo, como militância cívica (não confundir com partidária!). Não pode cristalizar-se como uma atividade que se segue ao recebimento de um diploma e de um número de registro no MTb e que se exerce em 5 ou 7 horas diárias de trabalho. Burocrática e desinteressadamente.

O jornalista tem que assumir definitivamente a responsabilidade que pesa sobre os seus ombros (detém o privilégio do exercício profissional concedido pela legislação brasileira) e precisa exercer a sua função (e missão) com coragem e competência. Se não estiver disposto a "suar a camisa" e colocar os neurônios para funcionar, que vá procurar outra praia.

Na comemoração dos 200 anos da imprensa brasileira, urge exigir que os sucessores de Hipólito da Costa deixem de lado a reverência servil aos novos monarcas (governantes e empresários) e assumam o papel que a sociedade lhes reservou.

A imprensa brasileira precisa definitivamente sair desta letargia, sacudir sua preguiça mental, recuperar sua capacidade de investigação, tirar a bunda da cadeira. Se ela se dispuser a esse esforço, chegará facilmente à conclusão (ufa, até que enfim!) de que existe vida além dos leads e dos releases.


Fonte: Por Wilson da Costa Bueno, in portalimprensa.uol.com.br
0