Pular para o conteúdo principal

Mercado ou sociedade?

A empresa A monitora cuidadosamente as necessidades de seus clientes, e lança novos produtos com base nas informações sobre o que está e estará mudando.

A empresa B vai além. Ela acompanha de perto também os não clientes ("Por que escolhem as concorrentes…?") e os ex-clientes ("Por que deixaram de ser clientes? Há algo que os faça voltar?").

A empresa C observa o mercado como um todo, como ele está evoluindo e se transformando: tenderá a crescer? Incrementalmente? Alguma descontinuidade, alguma ruptura?

A empresa D monitora outros mercados. O que acontece "lá fora" irá influenciar os mercados em que atua? Possíveis fusões de mercados? Esmaecimento dos limites entre mercados? Estratégias preventivas na forma de "embriões" de negócios inéditos?

(Há também as empresas que não fazem nada disso. Executam cegamente estratégias definidas por outros: por sua matriz ou por consultorias, que pensam por ela e implantam "pacotes prontos". Mas esse é um tema para uma outra coluna.)

Neste artigo, quero destacar a "Empresa Alfa", que pensa em estratégia de forma bem diferente de tudo que descrevemos acima. Para ela, "mercado" é simplesmente uma abstração, algo artificialmente definido ("vou chamar este espaço de meu mercado").

A Empresa Alfa não se sente presa a esse tipo de abstração e transcende de forma natural o conceito tradicional de "mercado". Alfa está atenta ao todo maior: a sociedade na qual todo "mercado" está inserido. Ela está permanentemente "antenada" às necessidades da sociedade. Que estão em permanente transformação.

Mesmo sediada no Brasil, Alfa está atenta à evolução das necessidades dos vários povos da Terra e do próprio planeta. Esse estado de alerta a faz entrar pioneiramente em novos negócios e atividades. Cada necessidade da sociedade e do planeta que não esteja sendo satisfatoriamente atendida representa uma área de oportunidade, de inovação.

Na filosofia de gestão de Alfa, empresa socialmente responsável é aquela que percebe as necessidades da sociedade como algo a levar em conta ao renovar suas estratégias de atuação. Nessa filosofia, empresa útil é empresa eterna, de sucesso sustentado.

Essa filosofia faz Alfa criar continuamente embriões de novos negócios voltados a necessidades da sociedade que ela pode atender, mesmo que esses novos negócios nada tenham a ver com o que ela faz hoje. (O raciocínio é que, provavelmente, em dez anos ela estará fazendo coisas muito distantes do que faz hoje…)

Ao refletir estrategicamente e preparar planos para o futuro, sua empresa foca clientes e mercados específicos ou está "antenada" às necessidades do todo maior?

E ainda: até que ponto sua empresa se vê como útil à sociedade e ao planeta? Essa é uma questão que ressoa na cultura vigente em sua organização?

Ou o "realismo" da busca cega por resultados de curto prazo rejeita esse tipo de reflexão?


Fonte: Por Oscar Motomura, in epocanegocios.globo.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Compromisso, atitude valorizada na empresa

Entre as qualidades esperadas de um bom profissional, o compromisso ocupa uma das primeiras posições. Esta qualidade é, por si mesma, tão forte que torna impossível alguém tentar representar que a tem, quando na verdade faltam-lhe as atitudes que mostrem de fato a existência deste compromisso. Nas empresas, os proprietários e dirigentes a percebem e a valorizam como um dos pontos críticos para determinar a atuação de um funcionário.

Cada vez que agimos com sentimento de compromisso verdadeiro, criamos uma clareza e bem-estar. Ao agir de forma comprometida com uma empresa, honramos um compromisso conosco. Do mesmo modo, ao assumirmos um compromisso conosco, estabelecemos um compromisso com a empresa, respeitando o que entendemos ser importante para nós. Por isso, o comprometimento só pode ser obtido por estímulos internos.

As empresas querem pessoas de compromisso, pois é ele que traz uma sensação de segurança de que todos farão o melhor. O tempero que dá gosto, velocidade e eficácia ao…

Relações Institucionais em alta

No jogo de xadrez, a rainha circula por todas as casas, por causa de sua grande capacidade de movimentação. Nas empresas, os diretores de relações institucionais (RI) agem mais ou menos como essa peça-chave do jogo. São convocados a auxiliar presidentes e diretorias específicas a destrinchar situações variadas, de crises a grandes transações de mercado. É esse executivo que atua como interlocutor entre empresas, governos, bancos, mídia, sindicatos e lideranças comunitárias quando os interesses e a imagem de sua corporação estão em pauta. E vem ganhando importância com o aumento de negociações, fusões e altos investimentos em empresas brasileiras, que estão batendo recordes. Foram cerca de 700 operações só em 2007. As empresas estão fazendo grandes aquisições, tendo que participar de trâmites que envolvem órgãos, como o Conselho de Direito Econômico (Cade) e agências de regulamentação. O diretor de relações institucionais orquestra e participa de todas essas negociações, diz Hebert Ste…