A TI é mais do que marketing

Com a competitividade global entre as organizações, definidas por questões como agilidade e qualidade para obter representatividade no mercado, as empresas cada vez mais se voltam para recursos e atividades que permitam acompanhar esse mercado.

Neste cenário, a Tecnologia da Informação (TI) é de suma importância, pois deve ser capaz de convergir as várias áreas da organização e ser agente de cooperação entre elas, e ainda certificar se a área tem permitido a mobilidade na organização exigida pelo mercado de atuação.

Esses são os reais propósitos da área: ser integradora e capaz de gerar resultados. Neste sentido, vê-se claramente que não é modismo de mercado, e sim modelo de gestão para a sobrevivência da empresa.

Mas definir quais são os hardwares, softwares e servidores, que são as melhores alternativas para o molde organizacional, que mão-de-obra utilizar para otimizar processos, é sempre um trabalho árduo para qualquer gestor. As propostas e projetos são intermináveis, existem ainda milhares de empresas que comercializam softwares e hardwares e trabalham com outsourcing de TI. Diversas ofertas de prestação de serviço, fato comum a qualquer mercado de atuação.

É notória a expressividade da TI. Conforme os dados do IDC, o mercado de outsourcing deve crescer 15% no Brasil em 2007, cerca de US$ 18,6 bilhões de dólares, em relação a 2006. Para que as consultorias se sobressaiam e conquistem novos clientes, é comum a utilização da publicidade e do marketing.

A maioria das estratégias de marketing são justas, enfim a conquista de clientes é o que nos mantém no mercado. Mas o fundamental é saber se a empresa, de fato, apresenta soluções coerentes com as necessidades apresentadas; se não são apenas os vendedores, que passam dias e dias falando do que há de mais moderno no mercado. Nem sempre o top de linha é benéfico ou rentável para a empresa-contratante.

Para ser considerada estratégica dentro de uma organização, a área de TI deve estruturar-se em três patamares: bons profissionais, qualificados e preparados para a gestão de possíveis crises; hardwares e softwares compatíveis com o modelo da organização e as necessidades; segurança, pois a informação é o maior bem da organização.

Ao consultar esses serviços, tenha em mente que, primeiramente sua empresa deverá ser estudada a fundo pelos consultores. As soluções para um problema só poderão ser trazidas depois que ele é conhecido.

Os exemplos de sucesso obtidos com outros casos são importantes, pois funcionam como referência. Mas lembre-se, cada empresa tem suas particularidade e culturas. Nenhuma empresa é igual à outra. Portanto, sua área de TI não é igual ao da empresa vizinha. Quando um serviço está sendo prestado, exija seu cumprimento conforme o de acordo combinado.

O planejamento e o alinhamento à cultura são fundamentais pois o choque, de uma área de TI gerida de forma ineficiente e amadora na corporação, poderá desencadear crises nos processos internos, ser vitima de hackers, lentidão de atividades, redução de rendimento da equipe de trabalho ou ainda investimento de capital maior que o esperado.

A posição de quem contrata os serviços da área de TI é tão complexa e importante como quando vamos comprar qualquer produto de uso pessoal e até mais pois é o nome da corporação que está em jogo. Exija o prometido, reclame se não atender suas necessidades. E tenha cuidado, aquela que promete muito, nem sempre é o mais eficiente. Lembre-se: A TI é mais do que marketing.


Fonte: Por Miguel Ruiz, in empreendedor.uol.com.br
0