Brinquedo "verde" é mais caro, mas pode mudar

Preocupadas com os efeitos do aquecimento global e de olho nos consumidores que prezam a responsabilidade sócio-ambiental das companhias, muitas empresas estão desenvolvendo produtos "verdes", que poluem menos e prometem causar menos danos ao meio ambiente. Agora, chegou a vez do brinquedos aderirem a essa moda, informou o site InfoMoney.
A fabricante Estrela lançou uma nova versão do Banco Imobiliário, que utiliza polietileno produzido a partir do etanol da cana-de-açúcar. Inicialmente, será só esse jogo que terá o plástico verde, mas, posteriormente, a empresa pretende adotá-lo em outros brinquedos.

Apesar de ser mais ecologicamente correto, o produto será 15% mais caro, em média, na comparação com o fabricado com o plástico derivado do petróleo.

A comercialização terá início entre o final deste mês e início de julho. O brinquedo será vendido a R$ 89, somente na rede Wal-Mart.

Diminuindo o preço
Segundo o diretor de marketing da Estrela, Aires Leal Fernandes, assim que aumentar a produção do plástico, feito pela Braskem, o preço do produto irá diminuir. Ele também informa que a petroquímica ainda está com a fabricação em fase piloto.

"A Braskem planeja estar com a produção em larga escala em 2010. Isso irá baratear o produto", disse. Fernandes também informou que a idéia da Estrela é adotar o plástico verde em todos os brinquedos, assim que o custo da matéria-prima diminuir.

O polietileno verde pode ser utilizado em todas as aplicações do plástico produzido a partir do petróleo, como embalagens para alimentos, de higiene pessoal, de limpeza doméstica e brinquedos.

Atualmente, o mercado mundial de polietileno é de 60 milhões de toneladas por ano, e a Braskem pretende produzir 200 mil toneladas do novo produto.


Fonte: empresas.globo.com/empresasenegocios
0