Pular para o conteúdo principal

É hora de mudar a faculdade de Comunicação

O curso superior de Comunicação Social continua sendo questionado nas redações e na maioria das vezes a crítica supera qualquer benefício ministrado durante os quatro anos da graduação. No Ministério da Educação já é voz corrente a preparação de uma grande operação de investigação nos cursos existentes, nos moldes do que está acontecendo com o Direito e a Medicina. Apesar de atuação firme dos Sindicatos e da Federação Nacional de Jornalismo, não temos uma instituição forte capaz de capitanear essa ação, como acontece com a OAB e o CRM. Mas muitos cursos poderão ser penalizados pela fragilidade na formação dos jovens que embarcam no Jornalismo e na Publicidade.

Momento ideal para colocar em discussão a transformação da Graduação de quatro anos em Especialização de dois anos, com a exigência de curso superior em qualquer área para sua implantação. Nossas cidades estão inundadas por rádios AMs e FMs, TVs nacionais e regionais, emissoras de empresas, de supermercados, comunitárias, universitárias e piratas. Sem contar a WEB, que abre uma janela de rádio e TV pessoais para o mundo.

Quatro anos nos bancos escolares são arrastados e muitas vezes distanciados da realidade, sem levar em conta um semestre inteiro para montagem do TCC (Trabalho de Conclusão do Curso). Uma boa grade possibilitaria a formação mais rápida e melhor, abriria a porta para graduados das mais diferentes áreas (muitos que já atuam como convidados, consultores, etc.), e possibilitaria a contratação de acadêmicos titulados e profissionais da área para uma prestação de trabalhos mais rápida. A transformação jamais passaria pela eliminação do título (diploma) para exercício da profissão, mas serviria para adequá-lo à nossa realidade. Além disso valorizaria brilhantes companheiros que se esfalfam para suprir no ensino superior as deficiências da péssima escola de base e fundamental. Não podemos mais continuar com a “catilinária” de que o curso não forma como o mercado quer. E continuar jogando no mesmo balaio as instituições que tem compromisso real com a educação, tem a missão de formar, com aquelas que visam apenas o lucro fácil proveniente da ilusão dos mais jovens.


Fonte: Por José Nello Marques, in www.comunique-se.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …