Pular para o conteúdo principal

Planejamento de mídia: de retardatário a líder

Por muitos anos, o modelo brasileiro de agências de publicidade, em que criação e mídia estão sob o mesmo teto, foi visto com reservas pelas multinacionais atuantes no País. Entretanto, de "estranho no ninho" o Brasil foi alçado a "mercado de referência", com a atual onda de aproximação entre as agências de mídia (antigamente chamadas de bureaus) e as áreas de planejamento e criação. No movimento que aponta para um retorno à maior integração entre as disciplinas, o modelo brasileiro pode passar de retardatário a líder.

A ferrenha defesa do sistema atual, que barra as agências de mídia e institucionaliza as bonificações sobre volume como planos de incentivos pagos pelos veículos às agências, sem interferência dos anunciantes, deverá dominar as discussões sobre Eficácia no Planejamento e Compra de Mídia durante o IV Congresso Brasileiro de Publicidade, marcado para acontecer entre 14 e 16 de julho no World Trade Center, em São Paulo.

Essa comissão será presidida por Ângelo Franzão, vice-presidente de mídia da McCann Erickson e presidente do Grupo de Mídia de São Paulo. "Será a grande oportunidade para demonstrar quais são de fato os nossos recursos, até mesmo em comparação com o cenário internacional. O modelo brasileiro de propaganda integra a atividade de mídia nas agências, transformando-as em full service, e também consagra e protege a maior sinergia e o melhor resultado de toda a operação, desde que utilizando os recursos corretos e necessários", salienta Franzão.

Na sua avaliação, os agentes brasileiros da atividade não padecem do isolamento que condena seus pares internacionais a serem mais limitados. "Há muito as táticas de mídia deixaram de focar o óbvio para privilegiar a relevância, o diferencial, o envolvimento do consumidor. E há muito que a atividade deixou de ser isolada para participar mais ativamente do planejamento estratégico e da elaboração das plataformas criativas com as demais disciplinas da comunicação e do marketing", ressalta.

Com ele concorda o vice-presidente de vendas publicitárias da Turner, Rafael Davini: "O Brasil goza de um modelo de negócio invejado por todos os países que já tiveram sistema similar ao nosso, mas mudaram o caminho por imposição internacional. Hoje, eles estão revendo suas práticas e passam por uma nova transição para tornarem seus modelos mais próximos do nosso".

Para Paulo Stephan, diretor geral de mídia da Talent, o profissional de mídia brasileiro é um dos mais criativos e inovadores do mundo, apesar de, muitas vezes, não ter tantas informações ao alcance da mão, como ocorre em outros mercados. "Devemos fortalecer o nosso modelo de negócio, proporcionar mais possibilidades de acesso às informações e criar mecanismos de ?popularização? de ferramentas internacionais", sugere.

Apesar de excomungarem os bureaus, as agências brasileiras dizem ver com bons olhos a maior participação dos anunciantes no processo de planejamento e compra de mídia. "As áreas de mídia dos clientes são hoje maiores e mais exigentes. Muitos anunciantes que nem tinham essa área há alguns anos agora contam com profissionais de mídia atuantes, que trabalham próximo às agências, contribuindo muito com o processo de planejamento e compra", atesta Gleydis Salvanha, diretora de mídia da W/Brasil.

Segundo ela, como a atividade de mídia inclui especificidades técnicas, às quais as áreas de marketing dos anunciantes nem sempre conhecem bem, a manutenção de especialistas em mídia dentro das empresas acaba rentabilizando os investimentos ao unir esforços de todos os produtos e serviços da companhia.

Visão parecida tem o diretor geral de mercado nacional da RBS, Eduardo Sirotsky Melzer: "O mercado brasileiro passa por um processo de profissionalização no que se refere ao relacionamento de anunciantes, agências e veículos. Em especial, a sofisticação dos anunciantes, que entendem e atribuem valor estratégico à comunicação e, dessa forma, fortalecem ainda mais esse tripé. Há uma importante mudança no comportamento do consumidor - do qual o anunciante quer participar".

Melzer espera que o IV Congresso reforce que, além de manter uma concorrência saudável, a indústria da comunicação brasileira só conseguirá mudar de patamar se deus diversos atores pensarem cooperativamente.



Fonte: Por Alexandre Zaghi Lemos, in www.meioemensagem.com.br/ivcongresso
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …