Pular para o conteúdo principal

Qual sua definição de marca?

Outro dia, fiz essa pergunta a um consultor que tinha acabado de me presentear com seu livro sobre branding e ele me respondeu: "Não defini. É muito complicado definir marca. Achei melhor pular esse capítulo."

Isso é absurdo. É impossível falar de gestão de marca sem definir seu objeto, pelo simples motivo que a definição de marca condiciona a maneira de conduzir sua gestão.

E para você? O que é marca? Eu vou lhe oferecer uma definição, mas antes pense na sua. Com certeza, você tem uma definição. Mesmo que informal e inconscientemente, sempre que se fala em marca, alguma idéia vem à sua mente. Qual é ela? Sabendo qual é a sua, você poderá compará-la à minha, julgar as diferenças e, se for o caso, adotar uma nova definição que o ajudará a definir sua maneira de gerenciar esse ativo.

Vou começar oferecendo a você três definições. Como tudo, nossa definição também muda conforme muda seu contexto.

Num contexto sem concorrentes, típico de mercado primário ou mercado com reserva, dominados por monopólio ou oligopólio, marca é apenas um nome e uma forma gráfica de representação. É apenas isso. É o que o mestre Aurélio define como logomarca: "qualquer representação gráfica padronizada e distintiva utilizada como marca; representação visual de uma marca."

Nesse caso, a gestão da marca é bastante técnica, porque se resume à aplicação correta da identidade visual. A disciplina do design, sem demérito da sua arte, é suficiente para lidar com essa gestão.

Num contexto competitivo, onde se divide o mercado com outras empresas e se disputa a preferência do cliente e do consumidor, não se define marca apenas como uma logomarca. Ela é uma imagem, uma opinião de terceiros sobre a minha oferta. O Mestre Aurélio diz também que marca é "conceito genérico resultante de todas as experiências, impressões, posições e sentimentos que as pessoas apresentam em relação a uma empresa, produto, personalidade, etc.".

Um “marketeiro”, provavelmente, daria essa definição. É isso o que ele gerencia: uma imagem, um desejo, uma promessa instalada na mente e no coração do consumidor. Nesse caso, a disciplina do design não é mais suficiente para lidar com o processo. A disciplina capaz de fazer sua gestão é o marketing.

Modernamente, o processo da globalização - leia-se “instalação de poderosa tecnologia de comunicação em redes” - criou um novo contexto, muito mais complexo, veloz e imprevisível que um simples mercado competitivo. Se, nele, algumas técnicas de Porter bastavam para mapear o cenário e fazer previsões, num mercado globalizado não se sabe de onde vem a ameaça, nem de onde vem a ajuda.

A ameaça pode vir de um grande concorrente ou de outro que ainda nem exista, como a Microsoft não existia para a IBM e o Linux não existia para a Microsoft. Ela, a ameaça, pode vir do pricing, da tecnologia, da distribuição, do comportamento das pessoas, de uma questão de política local ou global, enfim, tudo pode ser uma ameaça.

A origem do diferencial competitivo também não é muito clara: pode ser um funcionário que tenha uma idéia que reduza um ciclo ou um custo; pode ser um acionista que aporte capital num momento difícil; pode ser um fornecedor que lhe dê prioridade numa descoberta antes de oferecê-la ao seu concorrente; pode ser um cliente que lhe dê um retorno negativo, permitindo que correções sejam feitas em seu produto ou serviço antes de ele perder mercado; em suma, tudo pode ser diferencial competitivo.

Nesse cenário, marca não é apenas imagem ou promessa na mente do consumidor, mas uma maneira de pensar e agir, que, além de estar na cabeça dele, também está na do funcionário, na do acionista, na do fornecedor, na do cliente, e na de todos que podem, de alguma forma, contribuir para que o ciclo de produção e consumo da marca se sustente e se repita com perfomance cada vez melhor para todos os envolvidos.

Nesse caso, marca é uma cultura. Veja como o Mestre Aurélio nos ajuda na definição de cultura: "(...) modos de sobrevivência, normas de comportamento, crenças, instituições, valores espirituais, criações materiais, etc., (...) patrimônio próprio e distintivo de um grupo ou sociedade específica".

Os centros mais avançados, como a Universidade de Chicago, já identificam a Comunidade da Marca como um fenômeno contemporâneo de organização da sociedade. Nada de errado e nada parecido com o que Naomi Klein chama de marca. Para a querida ativista, marca é um instrumento de massificação, manipulador de corações e mentes, produto de um marketing barato e ultrapassado. Nós sabemos do que ela está falando e não dá para discordar.

No mercado globalizado, definimos marca como uma cultura e uma dinâmica de relações estabelecidas entre empresa/produto e comunidade, que cria valor para todas as partes interessadas.

Outro dia, conversando sobre marca, o Professor Gracioso, da ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing), tirou as palavras da minha boca: "Marca é um contrato social!". Eu tinha de concordar. Marca é um contrato que tem seu valor como objeto. Gerenciar esse valor é assunto do branding. Não é por outra razão que a expressão Brand Equity nasceu no mercado de capitais, um universo no qual se fala de atratividade de capital, de talentos e de consumo para se determinar o valor de um papel.

Veja que o conceito foi se ampliando à medida que o mercado foi se complicando e a gestão foi se sofisticando. Você me acompanhou até agora? O que achou? Numa época como esta, de profunda transição e rupturas, é bom começar qualquer conversa pela simples definição das coisas.


Fonte: Por Ricardo Guimarães, in Portal HSM On-line
2 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …