Pular para o conteúdo principal

Sete anos de ouro para o marketing esportivo

Há seis meses em operação , a divisão de marketing esportivo da agência Figer, tradicional no segmento de representação de jogadores, aposta na experiência de seu fundador, o agente Juan Figer, para conquistar espaço na crescente indústria do futebol.

"O diferencial da Figer é o trânsito com quem decide no mundo do futebol: clubes, federações (CBF e Fifa) e jogadores, por causa da influência de Juan Figer. E por isso podemos cortar caminhos para fechar negócios", diz o diretor da agência, Alan Cimerman.

Há 37 anos no futebol, o uruguaio Juan Figer, 73, é credenciado como o agente número 1 da Fifa e já realizou mais de mil transações de jogadores, entre eles Robinho (Real Madrid) e Breno (Bayern de Munique). A agência conta ainda com escritórios em Madri e Tóquio.

Criado com investimento de R$ 700 mil e composto por 25 funcionários, o braço de marketing esportivo da Figer possui quatro contas fixas: Sony, Unimed-RJ, Secretaria Municipal de Esportes de São Paulo e a rede de academias Pelé Club - o Rei do Futebol, aliás, mantém sala no escritório da Figer, em São Paulo. A meta, informa Cimerman, é contar com 10 clientes até o final do ano.

O faturamento da divisão de marketing esportivo da Figer atingiu R$ 2,8 milhões em 2007. Para 2008 a meta é crescer quase quatro vezes e alcançar cerca de R$ 13 milhões.

A expansão da agência e do setor de marketing esportivo nos próximos anos, ressalta Cimerman, será puxada pela ocorrência das duas próximas Copas do Mundo, na África do Sul (2010) e Brasil (2014).

O executivo diz que geralmente depois de uma Copa há uma queda natural no ritmo dos negócios, mas o fato do mundial seguinte ao africano ser no Brasil resultará numa seqüência inédita de sete anos de intensa movimentação.

A indústria do futebol movimenta cerca de US$ 250 bilhões anuais (empresas de marketing esportivo, direito de imagem na TV, publicidade, entre outros), de acordo com a Fifa.

Cimerman cita alguns outros eventos, além dos dois próximos mundiais, que devem movimentar o mercado da bola nos próximos anos: comemoração dos 50 anos da conquista da Copa de 58 (junho e julho); escolhas das sedes da Copa no Brasil (julho); eliminatórias para a Copa (até 2009); e Copa das Confederações no Brasil (2013).

O executivo observa que, apesar do calendário de eventos, existe ainda no País um vácuo entre o mundo corporativo e o futebol. "As empresas precisam ativar a marca,ou seja, não basta só comprar exposição na mídia. É necessário fazer uma ação que envolva todas as ferramentas de comunicação ", diz Cimerman.

Para a Unimed-RJ a Figer criou o conceito "Saúde Esporte Clube" (ações de orientação médica e atividades esportivas no Rio), que resultou em 8 mil novos cadastros para a companhia de saúde em dois meses. Sob orientação da agência, a Unimed destina a partir deste ano uma verba específica para marketing esportivo no valor de R$ 25 milhões. "Poucas empresas têm verba reservada para essa área. Mas é recomendável que as companhias adotem de forma estruturada uma estratégia de investimento em esporte".


Fonte: Por Gustavo Viana, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 5

Comentários

samira disse…
Não estou comovida com seu comentário Alan cimerman

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Relações Institucionais em alta

No jogo de xadrez, a rainha circula por todas as casas, por causa de sua grande capacidade de movimentação. Nas empresas, os diretores de relações institucionais (RI) agem mais ou menos como essa peça-chave do jogo. São convocados a auxiliar presidentes e diretorias específicas a destrinchar situações variadas, de crises a grandes transações de mercado. É esse executivo que atua como interlocutor entre empresas, governos, bancos, mídia, sindicatos e lideranças comunitárias quando os interesses e a imagem de sua corporação estão em pauta. E vem ganhando importância com o aumento de negociações, fusões e altos investimentos em empresas brasileiras, que estão batendo recordes. Foram cerca de 700 operações só em 2007. As empresas estão fazendo grandes aquisições, tendo que participar de trâmites que envolvem órgãos, como o Conselho de Direito Econômico (Cade) e agências de regulamentação. O diretor de relações institucionais orquestra e participa de todas essas negociações, diz Hebert Ste…

A relação empresa-sociedade

Não há mais conflito entre fazer negócios e tornar o mundo melhor, diz presidente do IBGC. "Pelo menos 100 empresas abriram capital nos últimos três anos e isso é um sinal de modificação na maneira de se fazer negócios; já há um bom número delas no Novo Mercado, onde existe o seguinte compromisso: eu forneço capital mais barato para você mas, em troca, você me paga um valor mais alto pela minha ação".

As afirmações são de José Guimarães Monforte, presidente do conselho do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), durante palestra ("Sustentabilidade e Responsabilidade Estratégias para a perenização das empresas") que fez na Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), inaugurando uma série de painéis sobre governança corporativa que o capítulo paranaense do IBGC levará ao interior do Estado.

"O contrato social está mudando e há uma expectativa sobre essas empresas que cumprem seu papel perante a sociedade", acrescentou Monforte. "E são exatam…