Pular para o conteúdo principal

Um gestor insatisfeito arruína a organização

Sharma rechaça com veemência ser catalogado como um guru, e não se cansa de reivindicar a "simplicidade" de seu discurso, que, insiste, pode calar tanto os executivos de grandes empresas como "motoristas de táxi, donas de casa ou jornalistas". "Sou apenas um homem comum com suas esperanças, frustrações, grandes êxitos e fracassos", se define Sharma.

Entretanto, não convém perder de vista que o fundador da Sharma Leadership International (SLI) é considerado um dos maiores especialistas mundiais em liderança. Sua empresa presta serviços de consultoria, formação e treinamento para diretores de multinacionais como Microsoft, IBM, Nike, General Electric e British Petroleum.

Sharma, que fez uma conferência em Bilbao, a convite da fundação Figeva, é autor de uma dezena de best sellers, traduzidos para 43 idiomas, com um milhão e meio de exemplares vendidos nos últimos cinco anos. Entre seus títulos se destaca "O Monge que Vendeu sua Ferrari", que foi publicado por sua mãe, e seu pai se encarregou da venda dos volumes de mão em mão, os quais transportava no porta-malas do carro.
Sharma gosta de lembrar da "simplicidade" de seu começo. "O primeiro seminário que fiz contou com a presença de 23 pessoas, das quais 21 eram meus parentes." Essa singeleza, assegura, é a razão do sucesso de seus ensinamentos e do citado livro, um relato que lembra uma fábula sobre como alcançar nossos sonhos e cumprir nosso destino, com uma certa carga autobiográfica; um advogado que, após um ataque cardíaco, decide vender seus bens e ir para a Índia em busca da iluminação.

Para Sharma, deve existir um equilíbrio entre o sucesso pessoal e o profissional. "Do que serve ser o mais rico do cemitério?", pergunta. De fato, o equilíbrio é algo fundamental. "Quando o líder está feliz e tem uma visão clara do futuro e do que deseja, cria uma organização potente, uma empresa saudável; quando o líder está insatisfeito e não desfruta da vida, o resultado é uma organização decadente."

"Porém, o que é a liderança?" Sharma responde: "Uma maneira de ser, uma filosofia que deve impregnar toda a organização, tanto para o diretor como para o mais humilde empregado." Portanto, ele considera fundamental envolver até o último funcionário, que sinta que seu trabalho é apreciado e que tem um sentido. "É preciso criar líderes dentro da organização; o dinheiro nem sempre é a melhor forma de motivação", enfatiza.

Às vezes Sharma reconhece que é difícil mudar o modelo antigo e hierárquico, "onde um presidente dá ordens ao resto do pessoal, e os empregados executam seu trabalho sem paixão, compromisso ou envolvimento". Ao contrário, o importante é que cada pessoa, com as responsabilidades de cada dia, influencie os resultados.

Essa nova cultura, diz Sharma, pode ser impregnada na organização por meio de técnicas de liderança, educação e formação dos quadros diretivos. Em certas empresas como a Apple fica evidente a influência de um líder carismático. Entretanto, o que acontece nas outras onde não existe um Steve Jobs? É possível adquirir a liderança? "Sim, e deve-se criar uma cultura de liderança para que não desapareça quando o atual líder for embora", conclui Sharma.


Fonte: Por Expansión, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 9

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Relações Institucionais em alta

No jogo de xadrez, a rainha circula por todas as casas, por causa de sua grande capacidade de movimentação. Nas empresas, os diretores de relações institucionais (RI) agem mais ou menos como essa peça-chave do jogo. São convocados a auxiliar presidentes e diretorias específicas a destrinchar situações variadas, de crises a grandes transações de mercado. É esse executivo que atua como interlocutor entre empresas, governos, bancos, mídia, sindicatos e lideranças comunitárias quando os interesses e a imagem de sua corporação estão em pauta. E vem ganhando importância com o aumento de negociações, fusões e altos investimentos em empresas brasileiras, que estão batendo recordes. Foram cerca de 700 operações só em 2007. As empresas estão fazendo grandes aquisições, tendo que participar de trâmites que envolvem órgãos, como o Conselho de Direito Econômico (Cade) e agências de regulamentação. O diretor de relações institucionais orquestra e participa de todas essas negociações, diz Hebert Ste…

A relação empresa-sociedade

Não há mais conflito entre fazer negócios e tornar o mundo melhor, diz presidente do IBGC. "Pelo menos 100 empresas abriram capital nos últimos três anos e isso é um sinal de modificação na maneira de se fazer negócios; já há um bom número delas no Novo Mercado, onde existe o seguinte compromisso: eu forneço capital mais barato para você mas, em troca, você me paga um valor mais alto pela minha ação".

As afirmações são de José Guimarães Monforte, presidente do conselho do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), durante palestra ("Sustentabilidade e Responsabilidade Estratégias para a perenização das empresas") que fez na Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), inaugurando uma série de painéis sobre governança corporativa que o capítulo paranaense do IBGC levará ao interior do Estado.

"O contrato social está mudando e há uma expectativa sobre essas empresas que cumprem seu papel perante a sociedade", acrescentou Monforte. "E são exatam…